Samba do Sino

A Roda surge da necessidade em manter acesa a chama da Cultura Popular Brasileira, trazendo a tona histórias que são cantadas através de sambas tradicionais de todo o território nacional, da velha guarda aos novos compositores, pois o Samba Presente Não Esquece o Passado, deixando prevalecer o sotaque do samba paulista, do rural ao urbano. O Sino surge devido à dificuldade em encerrar o Samba às 22h, pois é realizado em bairro residencial. Surge a idéia de se utilizar um sino para indicar o final do samba. Ai começaram a dizer: –“Vamos naquele samba, aquele que o cara toca o Sino...” Assim acaba-se adotando o nome Samba do Sino. Houve a aceitação e respeito geral e assim se conveniou tocar o Sino para começar e para terminar o Samba.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes Neto traz Teresa Cristina – dia 29-02-2016



O Melhor do Samba na Web Rádio. Neste Programa além de Teresa Cristina cantando Paulinho da Viola, também tem os Grandes Sambas da História – Moreira da Silva, Ismael Silva, Athaulpho Alves, Wilson Batista, Assis Valente, Geraldo Pereira, Cartola, Herivelto Martins, Elizeth Cardoso, Jacob do Bandolin, 

O Grupo Choromoço com o CD Chico no Choro, Maurinho de Jesus, Comunidade Maria Cursi, Marquinhos Jaca, Toinho Melodia, Duda Ribeiro, Robson Capela, Samba do Sino e Berço do Samba de São Mateus. Para fechar Benito Di Paula.

O que:- Programa Samba Acadêmico
Quem:- Carlos J Fernandes Neto
Comemoração:- Teresa Cristina
Quando:- 29-02-2016
Horário:- 21hs

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Samba Três dia 12-03-2016-18hs - Samba do Sino Original e Família Macambira


Samba do Sino e Família Macambira convida Edu Vaskes pra o Samba Três do dia 12-03-2016 - 18hs. Edu Vaskes interprete dos mais variados ritmos estará se apresentando no Samba Três de Março 2016, trazendo o que há de melhor das músicas gravadas por Nelson Gonçalves. Simplesmente Fantástico. Ainda vai rolar Samba do Sino com os sambas do CD “Samba do Sino na Garoa” lançado em dezembro de 2015 e Família Macambira com choro e sambas tradicionais.

O que:- Samba Três
Convidado:- Edu Vaskes
Quem:- Samba do Sino e Família Mamcambira
Quando:- 12-03-2016
Horário:- 18 horas
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 – Jd Tranquilidade – Guarulhos – SP
Entrada Franca
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.

Como Chegar:

METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.

MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.

METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Assista um pouco do Samba do Sino.
Santa Bamba - Fabiano Ramos e Kiko Dinucci em interpretação de Samba do Sino

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

O Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes Neto traz Almirante dia 22-02-2016 - 21h – na web rádio.

Confira a relação do sambistas presentes neste programa.

Além de Almirante, tem os Grandes Sambas da História, Paulo Vanzolini, Amilson Godoi, Zé da Velha e Silvério Pontes. Tem também os novos compositores da Terra da Garoa: Dodô Andrade, Adriana Moreira, Dulce Monteiro, Chapinha da Vela, Dona Duda Ribeiro, Família Macambira, Kiko Dinucci e Samba do Sino.

O Que:- Programa Samba Acadêmico
Com:- Carlos J Fernandes Neto
Quem:- Almirante
Quando:- 22-02-2016
Horário:- 21 hs



O Samba do Sino e a Família Macambira estarão na Rodas & Encontros dia 21-02-2016 - Centro de Cultura Popular Carpição em Guarulhos


O que:- Rodas & Encontros
Quem:- Samba do Sino e Família Macambira
Quando:- 21-02-2016
Horário:- 11hs
Onde:- Centro de Cultura Popular Carpição
End:- Pç N. Sra. do Bonsucesso, Guarulhos
Entrada Franca


Assista Samba do Sino interpretando Cravo Branco de Paulo Vanzolini



segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Radio Educadora com Paulinho da Viola no Programa Especial das Seis - A Dança da Solidão


Programa Samba Acadêmico traz Abel Ferreira - dia 15-02-2016 na Web Rádio 21hs

Alem de Abel Ferreira teremos muita música de qualidade. Tadeu Kaçula, Trio GatoComFome, Samba do Sino, Tia Cida, Maria Cursi, Marquinhos Jaca, Jonathan Silva, Marcelo Menezes, Edu Krieger e Gonzaguinha. Os Grandes Sambas da História também estão presentes.

O que:- Programa Samba Acadêmico
Quem:- Carlos J Fernandes Neto
Com:- Abel Ferreira
Quando:- 15-02-2016
Horário:- 21 hs

Onde:- www.webradiomusicalivre.com.br


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Samba do Sino , entrevista Programa Sertanejo sem Fronteiras com Maria José TV TARUMÃ

Maria José do Programa Sertanejo sem Fronteiras entrevista Carlos J Fernandes, Bibi Pantera e Drico Mariano integrantes do Samba do Sino.

Que tradição do Samba devemos Comemorar? Algumas reflexões

texto de Carlos José Fernandes Neto


       Mas para falar em samba qual é o que podemos nos referir? A Roda de Samba do Recôncavo Baiano outorgado como Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2005? O Samba Carioca tombado pelo IPHAN como Patrimônio Cultural do Brasil em outubro de 2007? Ou então o Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista cujo processo se encontra em reta final de homologação no IPHAN? O Samba nasceu onde havia o batuque feito pelos negros nascidos livres e trazidos escravos para o Brasil.




     Pelo Telefone. O maxixe, ou também denominado como tango brasileiro, que também tem a autoria reivindicada por Hilária Batista de Almeida – A tia Cita, foi considerado o primeiro samba gravado. Como fato preponderante para esta eleição tinha que estar descrito no disco “SAMBA”. Em estudos e pesquisas posteriores encontram-se porem vários discos com a Tarja “SAMBA”, como por exemplo, em uma série de 1908 a 1915 da gravadora ODEON temos “A Vila Está Magoada” de Catulo da Paixão Cearense, “Moleque Vagabundo” Lourival Carvalho, “Chora, Chora Chorado” Bahiano, Janga e Grupo Paulista, entre muitos outros.

     Assim pode-se comemorar 100 anos da gravação de Pelo Telefone, com registro em nome de Donga e Mauro de Almeida, como também se podia ter comemorado 100 anos para sambas anteriores a 1916 como, por exemplo, os citados acima.    

     O Samba desenvolvido no Rio de Janeiro assume sua origem no Samba da Bahia, e contou também com a valorização do então Presidente Getúlio Vargas e da antiga estatal Rádio Nacional no Rio de Janeiro ainda Capital Federal.

     O que se pode avaliar, no entanto é o quesito das salvaguardas incluídas nos referidos tombamentos proclamados, e para os que ainda se encontram em processo, e que vão garantir a perpetuação das culturas em suas devidas regiões. Ainda, a relevância histórica dos seus personagens incentivadores e praticantes da cultura em suas devidas regiões. Quando não valorizamos nossas culturas populares, perdemos a história e as lutas de nosso povo ficam jogadas ao Léo. Vamos repercutir um pouco sobre o Patrimônio Cultural.

     “Nos últimos anos, o conceito "patrimônio cultural" adquiriu um peso significativo no mundo ocidental. De um discurso patrimonial referido aos grandes monumentos artísticos do passado, interpretados como fatos destacados de uma civilização, se avançou para uma concepção do patrimônio entendido como o conjunto dos bens culturais, referente às identidades coletivas. Desta maneira, múltiplas paisagens, arquiteturas, tradições, gastronomias, expressões de arte, documentos e sítios arqueológicos passaram a ser reconhecidos e valorizados pelas comunidades e organismos governamentais na esfera local, estadual, nacional ou internacional.”

     “Os bens materiais e imateriais, tangíveis e intangíveis que compreendem o patrimônio cultural são considerados "manifestações ou testemunho significativo da cultura humana", reputados como imprescindíveis para a conformação da identidade cultural de um povo.”

    “Também se constatou nesse tempo um outro entendimento de história que centra seu interesse antropológico no homem e em sua existência, e assim busca contemplar todos os atores sociais e todos os campos nos quais se expressa a atividade humana. Tal compreensão implicou a valorização dos aspectos nos quais se plasma a cultura de um povo: as línguas, os instrumentos de comunicação, as relações sociais, os ritos, as cerimônias, os comportamentos coletivos, os sistemas de valores e crenças que passaram a ser vistos como referências culturais dos grupos humanos, signos que definem as culturas e que necessitavam salvaguarda.”(texto extraído do trabalho “Patrimônio cultural: a percepção da natureza como um bem não renovável” de Silvia Helena Zanirato(I); Wagner Costa Ribeiro(II), (I)Pós-doutoranda em geografia política pela USP, professora do Departamento de História — Universidade Estadual de Maringá; (II)Professor Doutor do Departamento de Geografia Política — USP)

     O Processo nº69504/2013, interessado Tadeu Augusto Matheus, com data de protocolo de 13/06/2013 tem como assunto atual o Registro do Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista como Patrimônio Imaterial, na Categoria Universal. Temos que registrar o trabalho das pessoas do Coletivo “Culturas Populares” para o desenvolvimento deste projeto, e, ainda que foi incluído o trabalho de Marcelo Manzatti “Samba Paulista, do centro cafeeiro à periferia do centro: estudo sobre o Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista.”

     Aqui vamos repercutir somente alguns trechos deste trabalho, mas é relevante uma leitura completa deste material, pois, nos remete a acontecimentos e pessoas que fizeram parte deste contesto do Samba em São Paulo, como por exemplo, citamos este trecho em sua página (13)

 “...Denominado Bambas do Samba – Sambas de Bumbo, o projeto reunia inúmeras atividades focadas no tema, como a realização de uma exposição fotográfica com os registros antológicos de Mário de Andrade e Claude Lévi-Strauss da festa de Pirapora de 1937; oficinas, onde, além de ensinar o Samba de Bumbo, foram construídos instrumentos novos que foram doados aos grupos tradicionais; apresentações de todos os grupos do gênero em atividade, além de sambistas da velha guarda do Samba Paulista como Seo Carlão do Peruche, Airton Santamaría  do Camisa Verde e Branco, Hélio Bagunça e Toniquinho Batuqueiro e Osvaldinho da Cuíca, todos eles fundadores de inúmeras agremiações carnavalescas da cidade e que, também, frequentavam o Samba de Pirapora.”

     Continuando com outro trecho do trabalho de Manzatti e que é parte do Processo a ser outorgado pelo IPHAN a cerca do Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista, agora na Conclusão:

     “A Despeito dos prejuízos ou benefícios obtidos com a projeção do samba para além dos horizontes culturais das comunidades de origem, o processo metonímico que toma a parte do Rio pelo todo o Brasil, tornou míope a visão sobre a amplitude nacional do fenômeno Samba. O entendimento de sua gênese e de sua filiação aos Batuques, de ocorrência histórica antiga e de larga projeção geográfica, pode promover uma correção desse reducionismo analítico, ampliando as possibilidades de compreensão do seu papel exato dentro do universo dos nossos folguedos populares, sem prejuízo simbólico para a centralidade histórica do gênero no Rio de Janeiro.”(pag 93)

     “Até a década de 1930, da mesma forma, realizava-se o Samba em todos os redutos negros da capital paulista como o Bexiga, Barra Funda, região do Lavapés/Liberdade, Brás, Mooca e Penha, além de bairros do Jabaquara e da Saúde. Algumas das personalidades ligadas ao nascimento os Cordões Carnavalescos em São Paulo frequentavam os barracões de Pirapora, e promoviam sambas do gênero em suas casas e vizinhanças, como Dionizio Barbosa, fundador do cordão e, posteriormente, Escola de Samba Camisa Verde e Branco; Geraldo Filme, liderança dos cordões Campos Elíseos e Paulistano da Glória; além de madrinha Eunice, fundadora da primeira Escola de Samba de São Paulo, a Lavapés(1937), e, Dª Sinhá, do Cordão e, posteriormente, Escola de Samba Vai Vai. Esses blocos carnavalescos, que também se apresentavam na Festa de Pirapora, desfilavam sobre a cadência da Zabumba, com as mesmas marchas sambadas características do Samba de Bumbo. Os mesmos personagens também conheceram a legendária Tiririca, forma primitiva de Capoeira ou Pernada, praticada ao som do samba, sendo os golpes desferidos em meio aos passos da dança.”(pag94)


     Comumente verificamos sambistas aqui da capital paulista reclamarem a cerca de falta de visibilidade perante o poder público e coisa e tal. Também é corrente o diz que diz que não se respeita as tradições, que o nosso samba é relegado. Pois então que samba é este que vamos comemorar aqui em São Paulo? As entidades e associações que tratam do assunto samba e dos sambistas, e seus próprios interlocutores devem estar preocupados na manutenção de nossas culturas populares e na sua manutenção, de nossas tradições e evoluções, sob a pena de jogarmos fora todo o trabalho desenvolvido pelos nossos ancestrais e toda a cultura que está inserida nesta cultura. Sou Samba de Bumbo ou Samba Rural Paulista, que será outorgado Patrimônio Cultural e caberá a nós, somente nós usufruirmos e mantermos acesa esta chama de nossa Cultura Popular e de nossa Identidade Cultural. 

Tia Ciata - "A Mãe do Samba"

"TIA CIATA", MÃE DO SAMBA...

" O samba é o mais belo documento da vida e da alma do povo brasileiro". (Rosane Volpatto-extraído do Texto SAMBA, SABOR DO BRASIL) Um grande abraço ao nosso patrono PAULINHO DA VIOLA. (Veja mais na página História do Samba)
-------x-------

Pelo Fim da Ordem dos Músicos do Brasil !

Abaixo-Assinado Eletrônico pelo direito ao livre exercício da profissão de músico:

Participe você também, leia matérias neste blog.

Para assinar eletrônicamente:

http://www.carlosgiannazi.com.br/fale_conosco/abaixo-assinado-omb.htm

Paulinho da Viola- Entrevistado pelo programa Memória do Rádio

PAULINHO DA VIOLA - O Nosso Patrono

O Verso "Quando penso no futuro não esqueço meu passado" é creditado por Paulinho da Viola, em "Meu tempo é hoje", como sintese de sua obra, de sua vida. Recolhido de sua "Dança da Solidão"(72). (Pedro Alexandre Sanches - Folh aOn Line - 11/04/2003)

"Eu não costumo brigar com o tempo" afirma Paulinho da Viola (em 09/12/2004 - Folha On line)

"A música de Paulinho da Viola representa um universo particular dentro da cultura brasileira. Experimentá-la é reconhecer que a identidade cultural brasileira não é única, há sempre algo mais." (extraído do site de Paulinho da Viola)

A Obra de Paulinho da Viola já foi tema de livros, trabalhos acadêmicos, gravações e documentário. Em fase de finalizações, se encontra um Documentário realizado pela VideoFilmes com direção de Isabel Jaguaribe e roteiro de Zuenir Ventura. (Confira mais na página - PAULINHO DA VIOLA - Vídeos e muito mais)

-------x-------

AGENDA CULTURAL DA PERIFERIA

A Ação Educativa é uma organização não governamental sem fins lucrativos que desenvolve a apóia projetos voltados para a educação e juventude, por meio de pesquisas, formação, assessoria e produção de informações. Mantém em sua sede o espaço de Cultura e Mobilização Social, aberto ao público, que promove regularmente atividades de formação, intercâmbio e difusão cultural. Vale a pena acessar : http://www.acaoeducativa.org.br/

Confira As Comunidades de SAMBA divulgadas.
-------x-------

Samba do Sino comemora primeiro ano na noite de 15/12/2009 com história do samba

O Movimento Cultural Samba do Sino comemerou 01 ano de vida no último dia 15/12/2009, e presenteia os moradores da cidade com histórias que contam a evolução do samba no Brasil. A proposta nasceu com a idéia de resgatar esse pedaço da cultura popular. (Vanessa Coelho - Guarulhos Web 15/12/2009)