Samba do Sino

A Roda surge da necessidade em manter acesa a chama da Cultura Popular Brasileira, trazendo a tona histórias que são cantadas através de sambas tradicionais de todo o território nacional, da velha guarda aos novos compositores, pois o Samba Presente Não Esquece o Passado, deixando prevalecer o sotaque do samba paulista, do rural ao urbano. O Sino surge devido à dificuldade em encerrar o Samba às 22h, pois é realizado em bairro residencial. Surge a idéia de se utilizar um sino para indicar o final do samba. Ai começaram a dizer: –“Vamos naquele samba, aquele que o cara toca o Sino...” Assim acaba-se adotando o nome Samba do Sino. Houve a aceitação e respeito geral e assim se conveniou tocar o Sino para começar e para terminar o Samba.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Programa Samba Acadêmico Especial apresentando o CD Samba do Sino na Garoa nesta segunda feira dia 21-12-2015 pela Web Rádio

Programa Samba Acadêmico Especial apresentando o CD Samba do Sino na Garoa nesta segunda feira dia 21-12-2015 pela webradiomusicalivre.com.br

O que:- Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes
Quem:- Samba do Sino
CD:- Samba do Sino na Garoa
Quando:- 21-12-2015
Horário:- 21 hs
Onde:- www.webradiomusicalivre.com.br

Horário Alternativo: Domingo 11h (manhã)


sábado, 5 de dezembro de 2015

Samba do Sino Na Garoa, Show de Lançamento CD no Adamastor Guarulhos dia 13-12-2015

O Samba Tradicional traz um recorte sobre o Samba de São Paulo no lançamento CD “Samba do Sino na Garoa”, primeiro trabalho gravado do grupo homônimo.

O que:- Show Lançamento CD “Samba do Sino na Garoa”
Quem:- Samba do Sino
Quando:- 13-12-2015
Horário: 19h
Onde: Teatro Adamastor Centro
End: Av Monteiro Lobato, 734 – Macedo – Guarulhos
Entrada Franca
Retirar os ingresso 01 hora antes do Show.



     O grupo guarulhense Samba do Sino vai comemorar seus 07 anos de fundação com lançamento de seu primeiro CD no Teatro Adamastor Centro dia 13 de dezembro de 2015. Trata-se de um projeto financiado pelo Funcultura – Fundo Municipal de Cultura – Lei 5.947/2003 e Prefeitura de Guarulhos – Secretaria de Cultura.

     A história do samba em São Paulo é muito rica e por isso existem várias formas de conta-la. O Grupo que já é uma realidade no cenário musical canta o Samba Paulista desde sua primeira gravação em 1923, nos presenteando com um enredo agradável e histórico. A cidade de Bom Jesus de Pirapora, o Samba de Bumbo e o Samba Rural, o controle musical instaurado pela Rádio Nacional Carioca - uma estatal na era Vargas, as Modas Paulistas como inspiração, a migração para área urbana da capital paulista ocasionada pela crise dos cafezais e a ocupação das várzeas do rio Tietê por esta população, o samba dos engraxates da Sé.

     Com uma ficha técnica de primeira linha, conta com músicos de nosso cenário contemporâneo como: Bandolim e Violão Tenor Rafael Esteves,  Clarinete e Clarone Alexandre Ribeiro, Flauta em Sol e Flautim Mariana Zwarg,  Tantan, Surdo e Pandeiro Paulino Dias,  Piano Salomão Soares,  Prato e Faca Barão do Pandeiro,  Trombone Allan Abadia,  Violino Carol Panesi e com participação especial de Osvaldinho da Cuíca na maioria de suas faixas.

     Em sua linha de frente conta com um coral feminino de 05 vozes, além de duas vozes masculinas. Em seu repertório de sambas tradicionais, tem também o samba autoral e de novos compositores, pois o Samba Presente Não Esquece o Passado. Componentes do Samba do Sino: Bibi Pantera, Carlos J Fernandes, Drico Mariano, Dulce Monteiro, Eli Sabino, Gerson Fróes, José Carlos Macambira, Luís R Grillo, Maraysa e Silvia Calixto.

     O CD conta com 13 faixas, incluído o seu hino “Quando o Sino Tocar” composição de Carlos J Fernandes e Luís R Grillo. Eduardo Souto, Geraldo Filme, Adoniram Barbosa, Germano Matias, Osvaldo Arouche, Walter Pinho, Osvaldinho da Cuíca, Eduardo Gudin, Carlinhos Vergueiro e Kiko Dinucci são os compositores do enredo das faixas deste belo trabalho do Grupo guarulhense.

     O trabalho foi gravado no Studio Guidon em São Paulo e tem a assinatura de Marcelo Menezes na Direção Musical e nos Arranjos, Produção Aldo Di Julho, Produção Executiva Laila Fidelli e Direção Geral e Criação Carlos J Fernandes Neto.


     O grupo enraizado no bairro do Jardim Tranquilidade desenvolve um trabalho cultural na cidade desde a sua fundação. Conta com um bloco carnavalesco, promove Saraus, Encontro de Sambistas todo Segundo sábado do mês, além de um Programa pela web rádio que vai ao ar pela internet toda Segunda feira.

     O Sino surge em virtude de não conseguir terminar as rodas às 22hs, uma preocupação desde o primeiro evento. Desta forma arrumou-se um badalo de boi, e quando o relógio marcava 22hs o badalo começou a ser tocado no ouvido do músico e assim não tinha jeito de continuar. As pessoas então falavam: “Vamos naquele samba, naquele do cara do sino” Ai acabou virando o Samba do Sino. Hoje se toca o sino para começar e para terminar o Samba. O primeiro samba sempre é de composição de Paulino da Viola, escolhido como patrono da roda.

Samba do Sino na Garoa Faixa Cravo Branco(Paulo Vanzolini)


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Dia do Samba Guarulhos 2015 - 29-11-2015



Dia do Samba em Guarulhos 2015. Chorinho e Comunidades de Samba. Realização Secretaria de Cultura de Guarulhos, apoio ASTEC SP Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo. Dia 29-11-2015 das 11h às 18h. Parque Bosque Maia - Av Paulo Faccini, s/nº Tenda Branca. Participações: Choramingando, Trio Cantareira, Samba do Cocaia, Pagode do Sobrado, Canto Pra Velha Guarda, Céllia Nascimento, Família Macambira e Samba do Sino.

O que:- Dia do Samba Guarulhos 2015
Quando:- 29-11-2015
Quem:- Choramingando, Trio Cantareira, Samba do Cocaia, Pagode do Sobrado, Canto Pra Velha Guarda, Céllia Nascimento, Família Macambira e Samba do Sino.
Horário:- 11h às 18h
Onde:- Parque Bosque Maia - Tenda Branca
End:- Av Paulo Faccini, s/nº - Guarulhos

Enrada Franca

Assista como foi em o Dia do Samba em Guarulhos em 2014



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Comunidades de Samba de São Paulo se apresentam na Semana da Consciência Negra 2015

Dia 20 de novembro à partir das 14h30 no Largo do Paissandu tem show com as Comunidades de Samba de São Paulo



Neste dia 20 de novembro de 2015 Na Semana da Consciência Negra as Comunidades de Samba de São Paulo estarão se apresentando no Largo do Paissandu à partir das 14h30. Estarão no Palco: Samba na Feira, Samba da Toca, Samba da Laje , Samba do Sino, Comunidade Maria Cursi e Terreiro de Compositores.


A programação, que terá como tema “Consciência Negra e Inclusão” e reunirá as mais variadas manifestações culturais afro-brasileiras, a partir de três eixos principais: Cidadania, com serviços de emissão de documentos, consultoria sobre discriminação racial e de gênero, saúde e beleza; Empreendedorismo, com a Feira Étnico-racial, que será montada no Largo do Paissandu, com estandes de comidas típicas, produtos e acessórios e Cultura com apresentações de grupos artísticos, performances e debates.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Samba do Sino Show de Lançamento do Primeiro CD "Samba do Sino na Garoa" dia 13-12-2015 em Guarulhos





O que: Show de lançamento CD Samba do Sino na Garoa
Quem:- Samba do Sino
Participação Especial: Osvaldinho da Cuíca
Quando: 13-12-2015
Horário: 19hs
Onde: Teatro Adamastor Centro
End: Av Monteiro Lobato, 734 - Macedo - Guarulhos - SP
Entrada Franca

O Samba Tradicional traz um recorte sobre o Samba de São Paulo no lançamento CD “Samba do Sino na Garoa”, primeiro trabalho gravado do grupo homônimo.


O grupo guarulhense Samba do Sino vai comemorar seus 07 anos de fundação com lançamento de seu primeiro CD no Teatro Adamastor Centro dia 13 de dezembro de 2015. Trata-se de um projeto financiado pelo Funcultura – Fundo Municipal de Cultura – Lei 5.947/2003 e Prefeitura de Guarulhos – Secretaria de Cultura.

A história do samba em São Paulo é muito rica e por isso existem várias formas de conta-la. O Grupo que já é uma realidade no cenário musical canta o Samba Paulista desde sua primeira gravação em 1923, nos presenteando com um enredo agradável e histórico. A cidade de Bom Jesus de Pirapora, o Samba de Bumbo e o Samba Rural, o controle musical instaurado pela Rádio Nacional Carioca - uma estatal na era Vargas, as Modas Paulistas como inspiração, a migração para área urbana da capital paulista ocasionada pela crise dos cafezais e a ocupação das várzeas do rio Tietê por esta população, o samba dos engraxates da Sé.

Com uma ficha técnica de primeira linha, conta com músicos de nosso cenário contemporâneo como: Bandolim e Violão Tenor Rafael Esteves, Clarinete e Clarone Alexandre Ribeiro, Flauta em Sol e Flautim Mariana Zwarg, Tantan, Surdo e Pandeiro Paulino Dias, Piano Salomão Soares, Prato e Faca Barão do Pandeiro, Trombone Allan Abadia, Violino Carol Panesi e com participação especial de Osvaldinho da Cuíca na maioria de suas faixas.

Em sua linha de frente conta com um coral feminino de 05 vozes, além de duas vozes masculinas. Em seu repertório de sambas tradicionais, tem também o samba autoral e de novos compositores, pois o Samba Presente Não Esquece o Passado.

O CD conta com 13 faixas, incluído o seu hino “Quando o Sino Tocar” composição de Carlos J Fernandes e Luís R Grillo. Eduardo Souto, Geraldo Filme, Adoniram Barbosa, Germano Matias, Osvaldo Arouche, Walter Pinho, Osvaldinho da Cuíca, Eduardo Gudin, Carlinhos Vergueiro e Kiko Dinucci são os compositores do enredo das faixas deste belo trabalho do Grupo guarulhense.

O trabalho foi gravado no Studio Guidon em São Paulo e tem a assinatura de Marcelo Menezes na Direção Musical e nos Arranjos, Produção Aldo Di Julho, Produção Executiva Laila Fidelli e Direção Geral e Criação Carlos J Fernandes Neto.


O grupo enraizado no bairro do Jardim Tranquilidade desenvolve um trabalho cultural na cidade desde a sua fundação. Conta com um bloco carnavalesco, promove Saraus, Encontro de Sambistas todo Segundo sábado do mês, além de um Programa pela web rádio que vai ao ar pela internet toda Segunda feira.


O Sino surge em virtude de não conseguir terminar as rodas às 22hs, uma preocupação desde o primeiro evento. Desta forma arrumou-se um badalo de boi, e quando o relógio marcava 22hs o badalo começou a ser tocado no ouvido do músico e assim não tinha jeito de continuar. As pessoas então falavam: “Vamos naquele samba, naquele do cara do sino” Ai acabou virando o Samba do Sino. Hoje se toca o sino para começar e para terminar o Samba. O primeiro samba sempre é de composição de Paulino da Viola, escolhido como patrono da roda.

Assista vídeo da faixa do CD Samba do Sino na Garoa


Roda de Conversa com José Pacheco dia 23-11-2015 em Guarulhos


O que: Roda de Conversa com José Pacheco
Quando:- 23-11-2015
Horário: 19hs
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jd Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entgrada Franca
Lugares limitados.

José Pacheco e a Escola da Ponte
O educador português conta como é a Escola da Ponte, em que não há turmas, e diz que quem quer inovar deve ter mais interrogações que certezas

Cristiane Marangon (novaescola@fvc.org.br)

Envie por email Imprima
José Pacheco não é o primeiro - e nem será o último - a desejar uma escola que fuja do modelo tradicional. Ao contrário de muitos, no entanto, o educador português pode se orgulhar por ter transformado seu sonho em realidade. Há 28 anos ele coordena a Escola da Ponte. Apesar de fazer parte da rede pública portuguesa, a escola de ensino básico, localizada a 30 quilômetros da cidade do Porto, em nada se parece com as demais.

A Ponte não segue um sistema baseado em seriação ou ciclos e seus professores não são responsáveis por uma disciplina ou por uma turma específicas. As crianças e os adolescentes que lá estudam - muitos deles violentos, transferidos de outras instituições - definem quais são suas áreas de interesse e desenvolvem projetos de pesquisa, tanto em grupo como individuais.

A cada ano, as crianças e os jovens criam as regras de convivência que serão seguidas inclusive por educadores e familiares. É fácil prever que problemas de adaptação acontecem. Há professores que vão embora e alunos que estranham tanta liberdade. Nada, no entanto, que faça a equipe desanimar.

O sistema tem se mostrado viável por pelo menos dois motivos: primeiro, porque os educadores estão abertos a mudanças; segundo, porque as famílias dos alunos apóiam e defendem a escola idealizada por Pacheco.

Quando jovem, esse educador de fala mansa não pensava em lecionar. Queria ser engenheiro eletrônico. Mas uma questão o inquietava: por que a escola ainda reproduzia um modelo criado há 200 anos? Na busca por uma resposta, se apaixonou pelo magistério. "Percebi que na engenharia teria menos a descobrir, enquanto na educação ainda estava tudo por fazer." Desse "tudo" de que tem se incumbido o professor Zé, como gosta de ser chamado, é que trata a entrevista a seguir, concedida à NOVA ESCOLA em São Paulo.

A Escola da Ponte é bem diferente das tradicionais. Como ela funciona?
JOSÉ PACHECO Lá não há séries, ciclos, turmas, anos, manuais, testes e aulas. Os alunos se agrupam de acordo com os interesses comuns para desenvolver projetos de pesquisa. Há também os estudos individuais, depois compartilhados com os colegas. Os estudantes podem recorrer a qualquer professor para solicitar suas respostas. Se eles não conseguem responder, os encaminham a um especialista.

Existem salas de aula?
PACHECO Não há salas de aula, e sim lugares onde cada aluno procura pessoas, ferramentas e soluções, testa seus conhecimentos e convive com os outros. São os espaços educativos. Hoje, eles estão designados por área. Na humanística, por exemplo, estuda-se História e Geografia; no pavilhão das ciências fica o material sobre Matemática; e o central abriga a Educação Artística e a Tecnológica.

A arquitetura mudou para acompanhar o sistema de ensino?
PACHECO Não. Aliás, isso é um problema. Nosso sonho é um prédio com outro conceito de espaço. Temos uma maquete feita por 12 arquitetos, ex-alunos que conhecem bem a proposta da escola. Esse projeto inclui uma área que chamo de centro da descoberta, onde compartilharemos o que sabemos. Há também pequenos nichos hexagonais, destinados aos pequenos grupos e às tarefas individuais. Estão previstas ainda amplas avenidas e alguns cursos d'água, onde se possa mergulhar os pés para conversar, além de um lugar para cochilar. As novas tecnologias da informação devem estar espalhadas por todos os lados para ser democraticamente utilizadas pela comunidade, o que já conseguimos.

Os professores precisam de formação específica para lecionar lá?
PACHECO Não. Eles têm a mesma formação que os de outras instituições. O diferencial é que sentem uma inquietação quanto à educação e admitem existir outras lógicas. Nossa escola é a única no país que pode escolher o corpo docente. Os candidatos aparecem geralmente como visitantes e perguntam o que é preciso para dar aulas lá. Digo apenas para deixarem o nome. No fim de cada ano fazemos contato. Hoje somos 27, cada um com suas especializações.

Como os novos professores se adaptam à proposta da escola?
PACHECO Há profissionais que estiveram sozinhos em sala durante anos e quando chegam constatam que sua formação e experiência servem para nada. De cada dez que entram, um não agüenta. Outros desertam e regressam depois. Mas nós também, por vezes, temos que nos adaptar. Há dois anos recebemos muitas crianças e professores novos, não familiarizados com a nossa proposta. Apenas a quinta parte do corpo docente já estava lá quando isso aconteceu. Passamos a conviver com mestres que sabiam dar aula e estudantes que sabiam fazer cópias. Foi necessário dar dois ou três passos para trás para que depois caminhássemos todos juntos. Precisamos aceitar o que os outros trazem e esperar que eles acreditem em nossas idéias. Essa é a terceira vez que passamos por isso.

Qual o perfil dos alunos atendidos pela Escola da Ponte?
PACHECO Eles têm entre 5 e 17 anos. Cerca de 50 (um quarto do total) chegaram extremamente violentos, com diagnósticos psiquiátricos e psicológicos. As instituições de inserção social que acolhem crianças e jovens órfãos os encaminham para as escolas públicas. Normalmente eles acabam isolados no fundo da classe e, posteriormente, são encaminhados para nós. No primeiro dia, chegam dando pontapés, gritando, insultando, atirando pedras. Algum tempo depois desistem de ser maus, como dizem, e admitem uma das duas hipóteses: ser bom ou ser bom.

Como os estudantes vindos de outras escolas se integram a um sistema tão diferente?
PACHECO Não é fácil. Há crianças e jovens que chegam e não sabem o que é trabalhar em grupo. Não conhecem a liberdade, e sim, a permissividade. Não sabem o que é solidariedade, somente a competitividade. São ótimos, mas ainda não têm a cultura que cultivamos. Quando deparam com a possibilidade de definir as regras de convivência que serão seguidas por todos ou não decidem nada ou o fazem de forma pouco ponderada. Em tempos de crise, como agora, em que muitos estão nessa situação, precisamos ser mais diretivos. Só para citar um exemplo, recebemos um garoto de 15 anos que tinha agredido seu professor e o deixado em estado de coma. Como um jovem assim pode, de imediato, participar da elaboração de um sistema de direitos e deveres?

A escola nem sempre seguiu uma proposta inovadora. Como ocorreu a transformação?
PACHECO Até 1976, a escola era igual a qualquer outra de 1ª a 4ª série. Cada professor ficava em sua sala, isolado com sua turma e seus métodos. Não havia comunicação ou projeto comum. O trabalho escolar era baseado na repetição de lições, na passividade. Naquele ano, havia três educadores e 90 estudantes. Em vez de cada docente adotar uma turma de 30, juntamos todos. Nosso objetivo era promover a autonomia e a solidariedade. Antes disso, porém, chamamos os pais, explicamos o nosso projeto e perguntamos o que pensavam sobre o assunto. Eles nos apoiaram e defendem o modelo até hoje.

Qual é a relação dos pais com a escola?
PACHECO Eles participam conosco de todas as decisões. Se nos rejeitarem, teremos de procurar emprego em outro lugar. Também defendem a escola perante o governo. Neste momento, os pais estão em conflito com o Ministério da Educação. Ao longo desses quase 30 anos, quiseram acabar com nosso projeto. Eu, como funcionário público, sigo um regime disciplinar que me impede de tomar posições que transgridam a lei, mas o ministro não tem poder hierárquico sobre as famílias. Portanto, se o governo discordar de tudo aquilo que fazemos, defronta-se com este obstáculo: os pais. Eles são a garantia de que o projeto vai continuar.

Como sua escola é vista em Portugal?
PACHECO Há uma grande resistência em aceitar o nosso modelo, que é baseado em três grandes valores: a liberdade, a responsabilidade e a solidariedade. Algumas pessoas consideram que todos precisam ser iguais e que ninguém tem direito a pensamento e ação divergentes. Há quem rejeite a proposta por preconceito, mas isso nós compreedemos porque também temos os nossos. A diferença é que nós nunca colocamos em cheque o trabalho dos outros. Consideramos que quem nos ataca faz isso porque não foi nosso aluno e não aprendeu a respeitar o ponto de vista alheio.

Qual é o segredo de sucesso da proposta seguida pela Ponte?
PACHECO Nós acreditamos que um projeto como o nosso só é viável quando todos reconhecem os objetivos comuns e se conhecem. Isso não significa apenas saber o nome, e sim ter intimidade, como em uma família. É nesse ponto que o projeto se distingue. O viver em uma escola é um sentimento de cumplicidade, de amor fraterno. Todos que nos visitam dizem que ficam impressionados com o olhar das pessoas que ali estão, com o afeto e a palavra terna que trocam entre si. Não sei se estou falando de educação ou da minha escola, mas é isso o que acontece lá.

O modelo da Escola da Ponte pode ser seguido por outras escolas?
PACHECO Não defendo modelos. A Escola da Ponte fez o que as outras devem e podem fazer, que é produzir sínteses e não se engajar em um único padrão. Não inventamos nada. Estamos em um ponto de redundância teórica. Há muitas correntes e quem quer fazer diferente tem de ter mais interrogações do que certezas. Considero que na educação tudo já está inventado. A Escola da Ponte não é duplicável e não há, felizmente, clonagem de projetos educacionais.

Hoje a escola pode funcionar sem o senhor?

PACHECO Fui e continuo sendo um intermediário. Não tenho mérito por isso, apenas cumpro a minha missão. Vou me afastar dentro de um ano e estou amargamente antecipando essa despedida. Todo pai tem de deixar o filho andar por si próprio e, nesse momento, a Ponte caminha sozinha. Depois quero continuar desassossegando os espíritos em lugares onde há gente generosa, que só precisa de um louco com a noção da prática, como eu. Agora ninguém pode dizer que uma experiência como a da Escola da Ponte não aconteceu, porque ela existe e provamos que é possível.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Dia do Samba em Guarulhos 2015 - Dia 29-11-2015 das 11h às 18h, Parque Bosque Maia


Dia do Samba em Guarulhos 2015. Chorinho e Comunidades de Samba. Realização Secretaria de Cultura de Guarulhos, apoio ASTEC SP Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo. Dia 29-11-2015 das 11h às 18h. Parque Bosque Maia - Av Paulo Faccini, s/nº Tenda Branca. Participações: Choramingando, Trio Cantareira, Samba do Cocaia, Pagode do Sobrado, Canto Pra Velha Guarda, Céllia Nascimento, Família Macambira e Samba do Sino.


sábado, 7 de novembro de 2015

Morreu Meu Compadre Zé

Morreu José Baltazar da Silva, meu Compadre



José Baltazar da Silva, Zé. Que também me chamava de Zé, pois também sou Zé. Pode ter algo mais mineiro. Amigo de meu pai desde que nos mudamos do interior paulista para o bairro do Itapegica em Guarulhos, perto da Bauduco e da Gail. Nos mudamos junto com a mãe de meu pai, minha Vô Rosa, que minha filha ficou decepcionada ao conhece-la, pois quando lá chegamos minha Vô ROSA estava com uma blusinha AZUL, e minha filha GABI, em seu mundo de fantasia, queria ver a sua Bisa (cor) ROSA.

Pequeno ainda, mas lembro de uma viagem que meu Pai fez para uma cidade do interior de Minas para buscar o último irmão (e família) do meu Compadre Zé para vir morar em Guarulhos. Todos viajaram num Jeep com capota de lona. Até hoje não sei como veio tanta gente.

Na pequena temporada que moramos na cidade de Taubaté foi um deleite. Da cidade natal de Monteiro Lobato viajávamos, nossas famílias, em uma Rural Willys de propriedade de meu Compadre Zé (meu pai trabalhava na Willys) capota branca e parte inferior azul. Fomos até Campos do Jordão, Ubatuba pela serra de Taubaté ainda sem asfalto, São Lourenço, inclusive nesta viagem decorei a letra de “Ave Maria no Morro” de Herivelto Martins, no porta malas da tal Rural, que estava publica em jornal local.

Zé era o cara aventureiro. Resolviam, ele e sua esposa Minga, juntavam as coisas e iam acampar na praia. Quando digo praia é praia mesmo. Estacionavam a Rural na areia da praia, estendiam uma lona e ali passavam 2, 3 dias. Uma de suas praias preferidas era aquela dos pescadores, última praia antes de chegar na balsa Guarujá – Bertioga.

Já crescido fui ser aprendiz de eletrônica em sua oficina. Na época cursava o técnico no Liceu Coração de Jesus. Meu compadre Zé era um cara especial. Sempre me tratou com muito respeito, e nossas conversas eram de adultos. Adolescente que era, vocês podem imaginar o tremendo efeito que isto acarretou em minha formação. Me ensinava a pensar, a construir e não apenas resolver problemas. Me deu fórmulas para ganhar o mundo, aprendi sem saber o que era tolerância, a conviver em harmonia.

Mas o destino assim quis e fui ser bancário. Mas ali havia acontecido algo, havia nascido uma amizade, um amigo para toda vida e...morte. Foi meu cliente no banco, me ensinou a gostar de churrasco de costela de boi, fazíamos um buraco no chão, acendíamos o carvão, quatro blocos de cimento, alguns espetos, cervejas e um belo churrasco.

Certa ocasião convidei o também amigo Dadau para irmos a um churrasco numa cobertura na praia. Dadau não hesitou e partimos. Na realidade fomos fazer o telhado na casa que meu Compadre Zé estava construindo na Praia, a cobertura. O Churrasco, isto sim, um belo carneiro na churrasqueira de bafo.

Que bom poder lembrar destas coisas. Lembrar que estivemos juntos em muitos momentos, e que nossas famílias partilharam destes momentos.

Ficávamos horas falando sobre a ciência, tecnologia. Por volta do ano de 1975, Zé me contou que havia um aparelho que gravava imagens e sons da TV. Achei aquilo fantástico, sempre quis ter imagens, colecionar momentos, e até hoje ainda sou assim. Na década de 80 chega ao Brasil os Videocassetes. Entrei em um consórcio e após intermináveis parcelas pude afinal ter o meu gravador de imagens.

Como não poderia deixar de ser Zé e Minga foram meus padrinhos de casamento. Mas o destino, e avida nos leva por caminhos nunca esperados. Nossas vidas mudam, as dificuldades aparecem. Não percebemos que o que realmente importa está ficando longe. Perto fisicamente, mas longe da realidade, e encontros com aqueles que mais são importantes vão rareando, não foi a primeira nem será a ultima.

Meu compadre Zé ficou doente, melhorou, mas sempre ficam sequelas. No dia 07-11-2015 recebemos a notícia de sua morte. Tenho certeza que está com o Grande Arquiteto e que sua transição foi tranquila. Morre compadre Zé. Que me chamava de Zé, pois também sou Zé, pode ter algo mais Mineiro. Zé logo estarei chegando se prepara para nossas conversas.

Carlos José Fernandes Neto





quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes dia 26-10-2015 - Juca Chaves e Dodô Andrade



Programa Samba Acadêmico Especial com Juca Chaves e Dodô Andrade. dia 26-10-2015 - 21 hs

O Que:- Programa Samba Acadêmico
Quando:- 26-10-2015
Horário:- 21 hs
Onde: www.webradiomusicalivre.com.br

Web Rádio

Samba do Sino e Família Macambira Convida Nosso Encontro na 9ª Edição do Samba Três - 14-11-2015 -17 horas

O Samba Três é assim: o Samba do Sino e Família Macambira sempre traz um novo convidado. Na Nona edição do Projeto o Convidado é o Grupo Nosso Encontro, e como sempre após as três apresentações grande roda de samba acústica com tudo junto e misturado. Esperamos por você, até lá.

O Que:- Samba Três
Quem:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- Nosso Encontro
Quando:- 14-11-2015
Horário:- 17hs
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jardim Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entrada Franca
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.

Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.
MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.
METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Nosso Encontro

O projeto Nosso Encontro, surge da necessidade de um grupo de amigos em resgatar sambas, serestas, choros e valsas de grandes compositores. Os encontros acontecem todas as sextas-feira na casa do Sr. Luis ( 7 cordas) regada sempre a boa conversa, cerveja e"causos" dos sambistas.

No repertório canções de: Lupicínio Rodrigues, Orlando Silva, Lamartine Babo, Garoto, Heitor dos Prazeres, Paulo Vanzolini, Cartola, Nelson Cavaquinho, Jacob do Bandolim, Ernesto Nazareth, Dilermano Reis entre outros.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Samba do Sino no Casarão da Mariqiuinha em Mogi das Cruzes dia 18-10-2015 17 horas


Samba do Sino no Festival de Cultura Afro Brasileira dia 11-10-2015 em Guarulhos


Samba do Sino e Família Macambira Convida Dodô Andrade para a Edição do Samba Três dia 10-10-2015 – 17hs.

O Samba Três é assim: o Samba do Sino e Família Macambira sempre traz um novo convidado. Na Oitava edição do Projeto o Convidado é DODÔ ANDRADE, e como sempre após as três apresentações grande roda de samba acústica com tudo junto e misturado. Esperamos por você, até lá.

O Que:- Samba Três
Quem:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- DODÔ ANDRADE
Quando:- 10-10-2015
Horário:- 17hs
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jardim Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entrada Franca
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.

Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.
MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob.

METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.


ASTEC SP Aniversário dia 06-10-2015, data em que será lançado APP InSamba e 2º Edição Circuito Rodas de Samba

No próximo dia 06/10 vai acontecer o evento Rodas de Samba na Praça em comemoração ao 3o. ano de existência da Astec SP, juntamente com o lançamento da 2a. edição do Guia das Comunidades de Samba de SP e do aplicativo InSamba, já disponível para download nas plataformas Android e IOS.


"Vamo junto, vamo em frente, que o samba não pode parar..."


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Instituido o Estatuto do Samba Paulistano Projeto de Lei 848 /2013



Orlando comemora aprovação do Estatuto do Samba em 1º Turno.
Acesse aqui 

No último dia 4 de setembro, Orlando Silva se reuniu com o Presidente da Câmara de Vereadores de São Paulo, Antonio Donato (PT), para pedir apoio para a aprovação do Projeto de Lei 848 /2013, de sua autoria, que Institui o Estatuto do Samba Paulistano. O PL tem como co-autor o Vereador Ari Friedenbach.

A proposta foi colocada em pauta para a votação no Plenário e aprovada em 1º Turno nesta terça-feira (8).

“Recebemos com muita alegria a aprovação, em 1º Turno, da nossa proposta. O Samba de São Paulo é nosso patrimônio e a nossa luta, nossa ideia é valorizar a imensa herança e legado do Samba ao povo paulistano e, ao mesmo tempo, fomentar cada vez mais os espaços de criação dessa importante manifestação cultural”, comemora Orlando Silva.

O projeto de Lei ainda precisa passar por votação em 2º Turno, para ir à sansão do Prefeito Fernando Haddad. “Precisamos de todo apoio nesse momento. As comunidades do Samba, Escolas, Sambistas precisam estar unidos e se mobilizar para que o PL se torne uma realidade”, acentuou Orlando.


Reconhecendo o ritmo como parte da história e da cultura da cidade e do país, Orlando Silva afirma que o Projeto de Lei que institui o Estatuto do Samba Paulistano terá como objetivo criar incentivos e estabelecer normas, mecanismos e procedimentos para a proteção, o fortalecimento e o desenvolvimento do samba em São Paulo.

Associação d0s Sambistas ASTEC lança em parceria o APP InSamba para celulares 50 países


A ASTEC (Associação Sambistas Terreiros e Comunidades de Samba), proporcionou um encontro e firmou uma grande parceria com o inSamba, mostrando a importância desse aplicativo para o contexto do Samba.

Na noite dessa quarta feira (02/09/2015), estivemos na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, apresentando o inSamba aos principais representantes das rodas de samba da cidade.

Esse evento ficou marcado por termos a chance de poder mostrar a todos o aplicativo e seus principais objetivos.

Recebemos o sinal verde de todos os membros na reunião, dando total apoio ao aplicativo.

Agradecemos a todos por essa grande organização para com a nossa cultura.

E vamos em frente que tem mais ai....

Vamos CURTIR  página do InSamba dando um click no link abaixo

Baixe e Instale o APP InSamba
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.app_insamba.layout


Programação da ASTEC SP - Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades do Samba de São Paulo - Segundo Semestre 2015.


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Aldo Di Julho se apresenta no Samba Três de Setembro dia 12-09-2015 - 17hs


O Samba Três é assim: o Samba do Sino e Família Macambira sempre traz um novo convidado. Nesta Sétima edição do Projeto o Convidado é ALDO DI JULHO, e como sempre após as três apresentações grande roda de samba acústica com tudo junto e misturado. Esperamos por você, até lá.

O Que:- Samba Três
Quem:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- ALDO DI JULHO
Quando:- 12-09-2015
Horário:- 17hs
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jardim Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entrada Franca
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.


Como Chegar: 
METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. 
MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. 
METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.


Aldo Di Julho

Aldo Di Julho possui uma carreira de mais 15 anos. Engana-se quem acha que é mais um novo talento da música popular. Desde há muito tempo ele era figura carimbada em festivais. Conseguiu ao longo da sua carreira, títulos importantes como o prêmio NEC de novos talentos, I festival de Cultura de Guarulhos (4ºmelhor intérprete) e tantos outros. Em sua trajetória na música é importante lembra sua marcante passagem pela Banda CHERNOBYL, “OS SILVAS”, JUCA BALA e M.M.D.C.. Contudo, mais maduro e ciente do queria falar e cantar, o cantor lançou-se em carreira solo promovendo os CDS: Arquivo , Arquivo II, Aldo di Julho e o Civilização (último CD do cantor). Nos últimos desenvolve um belo trabalho no exterior, tendo se apresentado em mais de 15 países.

Aldo Di Julho vai apresentar no Samba Três o Show que tem realizado no exterior com muito sucesso, tocando muito xote (ritmo musical dançante executado por diversos cantores e conjuntos de forró).

Por dentro da Carreira de Aldo Di Julho

A banda Chernobyl, integrada por Zinho (baixo), Aldo (vocal) e Nelson (bateria), saiu das profundezas das garagens underground e com petardos sonoros invadiu o cenário musical com a proposta de renovar aquilo que já esta estagnado. Potencial latente e criativo, a Chernobyl figurava como promessa no rock nacional.

Se Guarulhos teve muitas histórias na área artística, esta banda veio para tirar a poeira e o varais de tendências conservadoras, banindo o claustrofobismo de segmentos fechados e explodir em sucesso repetido em apresentações nesta ou em outras cidades do Estado. Tudo isto por causa de sua versatilidade musical. Ela representou uma mudança no discurso, postura e disposição na cena musical guarulhense.

A banda “Os Silvas” com a formação inicial de, Aldo (vocal e violão), Marcos Stopa(guitarra), Zinho(baixo), Betão (bateria) era uma proposta bem irreverente, já que todos os músicos possuíam como sobrenome o tão popular SILVA . Sua vertente era o rock com pitadas regionais e com certo ar de comédia e pastelão. Suas letras retratavam brincadeiras e momentos engraçados vividos pela banda. Não houve nenhum registro fonográfico da banda que ainda persistiu por mais duas novas formações e acabou terminando em meados de 1997.

A banda JUCA BALA tem três registros musicais, era a época das grandes apostas das principais gravadoras, chegou a assinar contrato com duas delas. Mas por se tratar de uma sonoridade pesada para época acabou por se tornar um projeto inviável. A banda trazia pitadas de PUNK, METAL, PSYCOBILLY e SKA. As letras ficavam entre o deboche e a questão social. Discutiam momento político e religioso. Relembravam brincadeiras inocentes e a melancolia de uma geração inteira sem causa social. Em uma de suas composições: “FUBÁ MIMOSO”, cantada por todos os punks na última apresentação conjunta JUCA BALA e “MAMONAS ASSASSINAS” em Guarulhos, era na verdade uma receita de bolo. A banda acabou se desmanchando e cada componente acabou por sair em carreira solo ou em composição com outras bandas.


Aldo Di Julho cantor e compositor traz em suas composições, reflexões do dia a dia, e tudo mais que as capitais urbanas podem fornecer. Sempre com um posicionamento reflexivo e coeso, o cantor reescreve em suas letras o anseio de uma geração que viveu e vive toda a mudança tecnológica, moral e espiritual. Mais que um novo disco, este trabalho é uma reflexão sobre o caos urbano que vivemos.o Cd "Civilização" lançado com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Guarulhos-Funcultura,foi mais uma virada em sua carreira.(fonte www.guarumic.com.br)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes dia 03-08-2015 - 21hs Web Rádio




O que:- Programa Samba Acadêmico
Quando:- 03-08-2015
Horário:- 21 horas
Onde:- www.webradiomusicalivre.com.br

Especial: Leci Brandão - Severino Araújo - TOM ZÉ


Sambistas da Terra da Garoa: Nei Santa Maria e Cesar Procópio - Rubão das Mulheres - Adriana MoreiraAnderson Alves e Peterson Lima -Yvison Pessoa, Gerson da Banda, Ronny King -Chocolate Vila Maria - Família Macambira Bernadete do Peruche - Cellia Nascimento -Chapinha – Dulce Monteiro - Família Macambira - Carmem Queiroz - Marcelo Menezes - Kiko Dinucci.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Samba do Sino na Roda de Samba Beneficente – Encontro de Comunidades de Samba dia 02-08-2015



O que:- Roda de Samba Beneficente – Encontro de Comunidades de Samba
Quando:- 02/08/2015
Horário:- 16h00
Onde – Espaço Life - No Antigo Fluxo
End:- Av Paulo Nunes Felix, 400 - Pq. São Rafael
Será servida uma Macarronada com Frango por apenas $10,00.

Buteco do Timaia

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes dia 27-07-2015 21hs



O que:- Programa Samba Acadêmnico
Quem:- Carlos J Fernandes
Quando:- 27-07-2015
Horário:- 21hs
Onde:- www.webradiomusicalivre.com.br
Web Rádio

Neste Programa o samba Acadêmico e ASTEC SP parabeniza as Comunidades Aniversariantes de São Paulo: Vela - Maria Cursi - Laje e Quilombo. Vamos ouvir os sambistas da Terra da Garoa:

Delei Martins e Robson Capela - Marquinhos Jaca
Dodo Andrade e Vagner Donelli - Emerson Urso
Maurinho de Jesus - Berço do Samba São Mateus
Pagode da 27 - Dulce Monteiro - Família Macambira
Maraiza – Railidia - Fabiana Cozza - Tereza Gama
Adriana Moreira - Graça Braga


E tem mais: Grandes Sambas da História, Chorinhos, Bossa e Mulheres do Samba Paulista.

Sambando em Poesia com Wal Serra e Marcelo Menezes dia 15-08-2015 na Opereta em Poá


Show cujo repertório é composto por sambas da antiga, com intenção de incentivar a apreciação da melodia e da poesia presentes nas belíssimas canções de grandes compositores, como: Delcio Carvalho, Dona Ivone Lara, Ivor Lancellotti, Paulo Cesar Pinheiro, Nei Lopes, Marcelo Menezes, Wilson Moreira, Monarco, Candeia, dentre outros.

Venha nos prestigiar ! 
Convide também os amigos, familiares, parentes!

Quando:- 15-08-2015
A partir das 20h
Local: Sede da Associação Cultural Opereta - Rua Emílio Ribas - Poá
Ingressos no local: R$10,00 (Preço único)


http://acopereta.blogspot.com.br/

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes dia 20-07-2015 - 21hs pela web radio



O que:- Programa Samba Acadêmico com Carlos J Fernandes
Quando:- 20-07-2015
Horário:- 21hs
Onde:- www.webradiomusicalivre.com.br
Horário alternativo:- Domingos 11h(manhã)

Entrevistas
Chorinhos
Enredos
Bossa
Velha Guarda
Novos Compositores da Terra da Garoa
Grandes Sambas da História

Neste Programa:Tia Cida – Duda Ribeiro – Tadeu Kaçula
Adriana Moreira – Marquinhos Jaca
Flávia Oliveira – Carm,em Queiroz
Marcelo Menezes – Dulce monteiro
Toinho melodia – maria cursi

Kiko dinucci

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Samba Três - Samba do Sino e Família Macambira Convida André Montanhani dia 08-08-2015 17hs.



O Samba Três é assim: O Samba do Sino e Família Macambira tem sempre um convidado. Nesta Sexta Edição o Convidado é André Montanhani. O som amplificado vai até as 22h00. A partir dai começa a Grande Roda de Samba, juntamos os povos e fazermos um Samba acústico no Terreiro do Samba do Sino no Pontão de Cultura Giramundo. Bom, a partir desse momento não tem hora para acabar...

O que:- Samba Três
Que:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- André Montanhani
Quando:- 08-08-2015
Horário:- 17 hs.
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jd Tranquilidade - Guarulhos - SP
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.


Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Guia das Comunidades de Samba de São Paulo - Lançamento ASTEC SP


quinta-feira, 25 de junho de 2015

Samba do Sino no Samba Paulista Nosso Samba de Vitrine dia 04-07-2015 15hs

Samba Paulista convida Samba do Sino no dia 04-07-2015 as 15hs - Rua General Osório, 46 - Luz - S Paulo - SP


Samba do Sino - Samba Três com Família Macambira Convida Wal Serra 11-07-2015


O Samba Três é assim: O Samba do Sino e Família Macambira tem sempre um convidado. Nesta Quinta Edição a Convidada é Wal Serra. O som amplificado vai até as 22h00. A partir dai começa a Grande Roda de Samba, juntamos o povos e fazermos um Samba acústico no Terreiro do Pontão de Cultura Giramundo. Bom, a partir desse momento não tem hora para acabar...

O que:- Samba Três
Que:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- Wal Serra
Quando:- 11-07-2015
Horário:- 17 hs.
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jd Tranquilidade - Guarulhos - SP
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.

Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Wal Serra

Wal Serra, é paulistana. Desde criança teve contato direto com a música, assistindo os ensaios do grupo de chorinho Isaías e seus chorões, ao qual seu pai, Waltão do violão (já falecido), integrava. Autodidata, passou a reproduzir os primeiros acordes no violão, mas foi no vocal que acabou se destacando.

Formada em Música, pela Faculdade Mozarteum de São Paulo, desde 1995, passou a integrar coros e madrigais, como: Iakirana e Lumiá Ensemble, ampliando seu repertório e seu amor pela música.

Grande admiradora do samba, inspira-se em Dona Ivone Lara e Clara Nunes na composição do seu repertório.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Virada Cultural 2015 Samba do Sino se apresenta dia 21-06-2015 as 4h00 (manhã)


Virada Cultura 2015 Capital Paulista - Programação do Samba - ASTEC SP Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo

A Virada Cultural da capital se São Paulo com Apoio da ASTEC SP - Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo, inova ao montar Três Grandes Palcos com Sambistas, principalmente Comunidades e Terreiros de Samba e Sambistas de São Paulo. O grande esforço da diretoria da ASTEC SP fundada oficialmente em 2014, mas atuando no meio sambistico há mais de 03 anos, foi fundamental para que o evento pudesse ser realizado. O apoio das Comunidades e os Sambistas da Terra da Garoa foi o combustível para que o Samba de São Paulo fosse trazido a luz do conhecimento público. Parabéns ao nosso presidente Marquinhos Jaca e o empenho de Beto Oliveira, Flavia Costa, Fernanda de Paula, e muitos outros que ficam díficil enumerar. Todo esta movimentação deve-se também ao apoio da Deputada Estadual Leci Brandão e Vereador Netinho de Paula. Obrigado as suas equipes. Agora é samba nos Palcos da Sé.


domingo, 17 de maio de 2015

Família Macambira todos Domingos de maio 2015 no Bar Brahma Centro - 15hs


Samba Três - Samba do Sino e Família Macambira convida Marta Fróes - 13-06-2015 17hs


O Samba Três é assim: O Samba do Sino e Família Macambira tem sempre um convidado. Nesta Quarta Edição a Convidada é Marta Fróes. O som amplificado vai até as 22h00. A partir dai começa a Grande Roda de Samba, juntamos o povos e fazermos um Samba acústico no Terreiro do Pontão de Cultura Giramundo. Bom, a partir desse momento não tem hora para acabar...

O que:- Samba Três
Que:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- Marta Fróes
Quando:- 13-06-2015
Horário:- 17 hs.
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jd Tranquilidade - Guarulhos - SP
Serviço: Conta com serviço de Bar. Lotação 150 lugares.

Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Marta Fróes

Marta Fróes, nasceu em São Paulo. De família religiosa cedo começou a ter os primeiros contatos com a música participando de grupos vocais, logo se destacando ao violão.


A partir de meados dos anos 80 começou a estudar grandes compositores e violonistas da MPB.

Banda Lira Comemoração 107 anos Convida Samba do Sino dia 23-05-2015 no Adamastor Centro


A Banda Lira de Guarulhos comemora 107 anos no dia 23-05-2015 – 18 hs, e convida o Samba do Sino para a Festa.

O que:- Comemoração 107 anos Banda Lira Guarulhos
Convidado:- Samba do Sino
Quando:- 23-05-2015
Horário:- 18hs
Onde:- Adamastor Centro
End:- Av Monteiro Lobato, 412 - Guarulhos - SP
Entrada Franca


Foto - Inauguração da estação de Guarulhos, em foto publicada em 13 de fevereiro de 1915 na revista O Pirralho (Acervo Paulo Castagnet).

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Samba Três - 3ª Edição - Samba do Sino e Família Macambira Convida Marco Garbulho & Banda


O que:- Samba Três
Quem:- Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- Marco Garbulho & Banda
Quando:- 09/04/2015
Horário:- 17hs
Onde:- Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jardim Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entrada Franca
Serviço: Espaço Bar - 150 lugares. Não ultrapassa limite de lugares.

Como Chegar: METRÔ ARMÊNIA - Ônibus Jardim Moreira - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. MERCADO MUNICIPAL DA PENHA - Ônibus Guarulhos PQ Cecap - Descer 3º Ponto R Cb Antonio Pereira da Silva - Rua Lombroso - Rua Jacob. METRO TUCURUVI - Guarulhos - Jardim Leda - Descer Primeiro Ponto Av Emílio Ribas (Em Frente Cacau SHOW) 1ª Direita Rua Jacob.

Marco Garbulho

Paulistano do Tatuapé, Marco é cantor e
compositor auto-didata, ganhando reconhecimento
por sua sofisticação melódica e harmônica
em meio ao circuito estudantil do final
dos anos 70.

Mais do que um projeto, Sangue, suor, swing é o retrato de uma vida. São 35 anos de
composições, influências e amigos que se encontram e unificam no calor da latinidade
dos arranjos e na brasilidade das harmonias de Marco Garbulho.

Proprietário de linhas melódicas raras para a música brasileira atual, Garbulho resgata a
vivacidade da MPB dos anos 70 e 80, reunindo um caldeirão de influências que se
inicia nas lembranças da infância e adolescência (rock’n roll, jazz e bossa nova), passa
pelo auge da sofisticação da poética e musicalidade do samba, e incorpora o balanço
latino descoberto nos últimos anos de pesquisas musicais.

As linhas rítmicas e melódicas são azeitadas por um time de músicos afinados com os
grooves caribenhos, promovendo uma experiência de delicadeza, energia e qualidade
musical que agrada aos públicos mais variados.

Ao longo dos anos, participou de festivais, programas de tv e peças musicais, desenvolvendo
uma carreira musical e artística paralela à profissão de consultor industrial.
Após um hiato dos palcos, retornou com formação completa, sendo consagrado com o
1° Prêmio de Composição do Festimais (São Carlos – SP) de 2007, tendo entre os
jurados o saudoso cantor e compositor Zé Rodrix.

Marco também é compositor de trilhas teatrais, e tem inusitadamente em seu currículo a composição do Hino Municipal de Américo Brasiliense (SP). Atualmente desenvolve o
projeto “Sangue, Suor, Swing”, um compêndio de composições desses 35 anos de
atividade, trabalhados em arranjos com influência da música latina e do samba.


quinta-feira, 2 de abril de 2015

Samba Três Samba do Sino e Família Macambira convida Os Favoritos da Catira dia 11/04/2015 18hs



Samba Três é assim: Samba do Sino e Família Macambira sempre trazem um convidado no Pontão de Cultura Giramundo. Todo Segundo Sábado do mês. em sua Segunda edição a atração convidada é "Os Os Favoritos da Catira.

O Que:- Samba Três - Samba do Sino e Família Macambira
Convidado:- Os Favoritos da Catira
Quando:- 11/04/2015
Horário:- 18hs
Onde Pontão de Cultura Giramundo
End:- Rua Jacob, 223 - Jardim Tranquilidade - Guarulhos - SP
Entrada Franca
O espaço conta 150 lugares e possui serviço de bar.
Confirme sua presença no face: https://www.facebook.com/events/819380874803665/

Os Favoritos da Catira

O grupo Os Favoritos da Catira, formado no começo da década de 1980, apresenta repertório tradicional da música e da dança caipira em intervenções que procuram preservar e difundir as nuances e as expressões culturais do espaço rural paulista.

A persistência em manter na grande metrópole a música raiz, o folclore e o modo de vida paulista é a base da existência do grupo. Convivendo com a diversidade cultural, expressa às novas gerações costumes e tradições da catira, Folias de Reis e outras manifestações caipiras que trazem a intersecção do sagrado e do profano, do autêntico e do moderno.

Catira, antigamente chamada de cateretê, é uma dança de raízes híbridas das culturas indígenas, africanas, portuguesas e espanholas, introduzidas pelos jesuítas e bastante difundidas nos séculos XVII e XVIII, no ciclo do tropeirismo. O estilo é preservado nas regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil.

Nas extremidades, estão o violeiro e o parceiro que faz o dueto de voz. A dupla sustenta as evoluções dos catireiros, intercalando o toque da viola com os versos musicados. Ao som de modas de viola e recortados, a dança acelera, desacelera e para com a cantoria, momento para os dançarinos tomarem fôlego. As letras variam entre temáticas de histórias caipiras, brincadeiras e causos com uma moral cabocla.

Assista Vídeo: 

sexta-feira, 20 de março de 2015

ASTEC SP Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo

A Associação dos Sambistas do Estado de São Paulo foi criada a partir de um coletivo de Sambistas e Comunidades de Samba de São Paulo. Muitas foram as reuniões, discussões sobre estatutos, pautas culturais, e principalmente o SAMBA.

Por vários motivos alguns de seus membros deixaram de participar das reuniões. A partir dai a Direção plenamente ativa continuou a se reunir para traçar diretrizes para a Associação. Como até aquele momento o registro não havia sido efetivado, e diante da impossibilidade devido a erros de forma nos estatutos, conforme pronunciamento do Cartório de Pessoas Jurídicas, procurou-se adequar nossos Estatutos conforme Legislação pertinente. Percebeu-se também a necessidade de se incluir os Terreiros de Compositores dentro deste escopo, e assim a ASC SP, passou a ser denominada como ASTEC SP – Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de Samba de São Paulo. No segundo semestre de 2014 finalmente a Associação foi devidamente registrada perante os órgãos competentes com a eleição da seguinte diretoria:

Marcos Abrahão Gilberto – Presidente
Carlos José Fernandes Neto - Vice Presidente
Fernanda Santos de Paula - Diretor Secretária
Flávia de Jesus Costa – Diretora Vice Secretaria
Flavia Gonçalves de Oliveira – Diretora Cultural
Eloisa Dias de Souza – Diretora de Finanças
Daniel Lima dos Santos - Diretor de Propaganda e Marketing
Roberto Almeida de Oliveira - Diretor de Relações Institucionais
Alexandre Calixto de Faria - 1º Conselheiro
Daisy Guastini Cordeiro - 2º Conselheira
Sueli Vargas da Silva - 3º Conselheira
Yvison José Pessoa Bezerra - 4º Conselheiro


Tia Ciata - "A Mãe do Samba"

"TIA CIATA", MÃE DO SAMBA...

" O samba é o mais belo documento da vida e da alma do povo brasileiro". (Rosane Volpatto-extraído do Texto SAMBA, SABOR DO BRASIL) Um grande abraço ao nosso patrono PAULINHO DA VIOLA. (Veja mais na página História do Samba)
-------x-------

Pelo Fim da Ordem dos Músicos do Brasil !

Abaixo-Assinado Eletrônico pelo direito ao livre exercício da profissão de músico:

Participe você também, leia matérias neste blog.

Para assinar eletrônicamente:

http://www.carlosgiannazi.com.br/fale_conosco/abaixo-assinado-omb.htm

Paulinho da Viola- Entrevistado pelo programa Memória do Rádio

PAULINHO DA VIOLA - O Nosso Patrono

O Verso "Quando penso no futuro não esqueço meu passado" é creditado por Paulinho da Viola, em "Meu tempo é hoje", como sintese de sua obra, de sua vida. Recolhido de sua "Dança da Solidão"(72). (Pedro Alexandre Sanches - Folh aOn Line - 11/04/2003)

"Eu não costumo brigar com o tempo" afirma Paulinho da Viola (em 09/12/2004 - Folha On line)

"A música de Paulinho da Viola representa um universo particular dentro da cultura brasileira. Experimentá-la é reconhecer que a identidade cultural brasileira não é única, há sempre algo mais." (extraído do site de Paulinho da Viola)

A Obra de Paulinho da Viola já foi tema de livros, trabalhos acadêmicos, gravações e documentário. Em fase de finalizações, se encontra um Documentário realizado pela VideoFilmes com direção de Isabel Jaguaribe e roteiro de Zuenir Ventura. (Confira mais na página - PAULINHO DA VIOLA - Vídeos e muito mais)

-------x-------

AGENDA CULTURAL DA PERIFERIA

A Ação Educativa é uma organização não governamental sem fins lucrativos que desenvolve a apóia projetos voltados para a educação e juventude, por meio de pesquisas, formação, assessoria e produção de informações. Mantém em sua sede o espaço de Cultura e Mobilização Social, aberto ao público, que promove regularmente atividades de formação, intercâmbio e difusão cultural. Vale a pena acessar : http://www.acaoeducativa.org.br/

Confira As Comunidades de SAMBA divulgadas.
-------x-------

Samba do Sino comemora primeiro ano na noite de 15/12/2009 com história do samba

O Movimento Cultural Samba do Sino comemerou 01 ano de vida no último dia 15/12/2009, e presenteia os moradores da cidade com histórias que contam a evolução do samba no Brasil. A proposta nasceu com a idéia de resgatar esse pedaço da cultura popular. (Vanessa Coelho - Guarulhos Web 15/12/2009)