Samba do Sino

A Roda surge da necessidade em manter acesa a chama da Cultura Popular Brasileira, trazendo a tona histórias que são cantadas através de sambas tradicionais de todo o território nacional, da velha guarda aos novos compositores, pois o Samba Presente Não Esquece o Passado, deixando prevalecer o sotaque do samba paulista, do rural ao urbano. O Sino surge devido à dificuldade em encerrar o Samba às 22h, pois é realizado em bairro residencial. Surge a idéia de se utilizar um sino para indicar o final do samba. Ai começaram a dizer: –“Vamos naquele samba, aquele que o cara toca o Sino...” Assim acaba-se adotando o nome Samba do Sino. Houve a aceitação e respeito geral e assim se conveniou tocar o Sino para começar e para terminar o Samba.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Samba do Sino Show Aniversário da cidade de São Paulo dia 25/01/2015 às 13hs no Palco Mercadão Municipal


O Samba do Sino se apresenta em Mostra de Comemoração do Aniversário da Cidade de São Paulo Neste dia 25/01/2015 no Palco do Mercadão Municipal como 13 hs, com Apoio da ASTEC SP - Associação dos Sambistas, Terreiros e Comunidades de São Paulo e Realização da Secretaria Municipal da Promoção e Igualdade Racial.

O que: - Comemoração 461º Aniversário da Cidade de São Paulo
Show: - Samba do Sino "Garoando"
Quando: - 25/01/2015
Horário: - 13hs
Onde: - Mercadão Municipal de São Paulo
Entrada: - grátis

Assista vídeo Samba do Sino em Apresentação na Galeria Olido:

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Unidos de Vila Maria 22h30



Só Diamantes são Eternos na Química Divina.

"Deixe a Vila lapidar" seu coração
Refletir em seu olhar a emoção
O amor infinito te faz transformar
Basta querer e acreditar

Surgiu para encantar a humanidade
O brilho na escuridão
Pedra que marcou a eternidade
Fez cobiças e vaidades
Reluz no calor de um vulcão
"Lágrimas dos deuses"
"Faíscas de estrelas no céu"
Tão rara encantou realeza
Inspirou a arte, amores, paixões
Precisa e também preciosa, óh jóia formosa
Na história fez renovações

Aos olhos do Pai, vem se declarar
É a fé que embala, o seu caminhar
Metamorfose fascinante
Dentro do peito "bate um diamante"

Vitórias e superações
Rompendo barreiras que a vida lhe dá
Escute a "voz da verdade"
Que a felicidade irá te encontrar
Em busca de um novo sorriso
No amanhã renascerá
A força e a coragem " pra lutar"
Um ser precioso e perfeito
Que humildemente se modificou
Em um verdadeiro vencedor



Enredo: Só Diamantes são Eternos na Química Divina. 

O Grêmio Recreativo Cultural e Social Escola de Samba Unidos de Vila Maria dá continuidade as comemorações de seus sessenta anos de existência (Bodas de diamantes) trazendo para o Carnaval de 2015 o enredo “Só os diamantes são eternos, na química divina”.
Nesse pensamento, olhamos para essa pedra de grande valor e refletimos que ela atraiu na história da humanidade sentimentos de  ódio, vaidade, luxúria e traições. Basta lembrarmo-nos de histórias envolvendo grandes paixões, gangsters, tráfico de diamantes ou valises abarrotadas com essas pedras de grande valor.
Como pode uma pedra envolver os mais variados tipos de sentimentos e ações?
Mas não é só de sentimentos ruins que essa pedra atraiu o olhar da humanidade. Pelo contrário, os gregos a chamavam de “Adamas” (o inconquistável). Para eles, os diamantes eram considerados com faíscas de estrelas caídas do céu sobre a terra. Dizia-se também que o fogo nele refletido era a chama do amor (o diamante vermelho é considerado o diamante da paixão), e que seriam os diamantes lágrimas dos deuses.
Embora os diamantes existam a milhares e milhares de anos, o primeiro registroque se tem conhecimento foi na Índia há cerca de três mil anos. Eles eram utilizados como talismãs em adereços para distinguir as castas.
Até o século XVII, os diamantes na sua maioria foram comercializados no mundo tendo como sua origem a mina de Golconda na Índia. Desta mina forma extraídos famosos diamantes do mundo como o Kon-i-Noor (integra parte das joias da Coroa da Inglaterra), e o Orloff (patrimônio das joias da Coroa Russa)

Por ser a pedra símbolo do amor eterno vamos nos reportar ao maior monumento ao amor eterno, o Taj Mahal.

Numa época em que os imperadores da Índia tinham dezenas de mulheres e centenas de concubinas, Shah Jahan dedicou-se a amar apenas uma mulher, sua esposa Mumtaz Mahal. Com ela, o imperador teve quatorze filhos sendo, o parto do último a causa de sua morte. Inconsolável pela perda o imperador decide construir um mausoléu à altura do amor que ele sentia. A construção durou 22 anos e foram consumidos 500 kg de ouro e o mesmo montante em diamantes e turquesas. O mármore utilizado em sua construção é translúcido e permite que o interior fique sempre claro durante o dia. Além disso, sua cor altera conforme a incidência da luz do sol sendo azulado durante o amanhecer, branco, rosado e amarelado ao entardecer. Em noite de luza cheia, o Taj Mahal refletido no espelho d’água à sua frente é negro e inspirou o imperador a construir no lado oposto a réplica do mausoléu na cor que o espelho d’água projetava e que seria lá o seu túmulo, porém o imperador foi deposto por seu filho e seu sonho não foi concretizado.
Embora o diamante seja a única pedra preciosa composta de um único elemento o carbono, ele tem a mesma composição do grafite que parece ser seu antônimo. Enquanto o grafite é sem brilho, cinzento e quebradiço, o diamante é de brilho infinito, reflete cores variadas em seus prismas e, é a gema mais dura que se tem conhecimento, pois só um diamante é capaz de cortar ou riscar outro.
No século XVIII, mais precisamente em 1725, após a descoberta de diamantes no Arraial do Tijuco (atual cidade de Diamantina – Minas Gerais), o Brasil ainda colônia de Portugal, quebra a tradição da Índia e, durante os 150 anos seguintes alcança a posição de maior produtor mundial de diamantes. Foi nessa época que uma escrava de nome Francisca da Silva, a Chica da Silva viveu como rainha sob os olhos apaixonados do Contratador de diamantes da Coroa Portuguesa João Fernandes de Oliveira que a alforriou e viveu com ela sem matrimônio oficial durante quinze anos.
O maior diamante brasileiro encontrado leva o nome do então Presidente da Republica Getulio Dornelles Vargas e foi encontrado em 13 de agosto de 1938. O diamante pesava 726,6 quilates e foi encontrado no rio Santo Antonio, em Coromandel – Minas Gerais. Por algum tempo ele foi considerado o quarto maior do mundo ocupando hoje, o posto de sétimo na lista dos maiores.

Ainda existem minas de diamantes em Minas Gerais, Mato Grosso, Maranhão, Piauí, Pará e Paraná. Porém os olhos se voltam hoje para a Chapada dos Diamantes na Bahia que espera no primeiro trimestre de 2015 extrair 225 mil quilates de diamantes na mina de Braúna, em Nordestina no semiárido baiano.
A África atualmente, é o maior produtor de diamantes do mundo sendo a África do Sul seu maior representante e, por ter sido lá encontrado o maior diamante do mundo. Com 3106 quilates, esse deu origem a 105 pedras de menor tamanho. Entre elas está o diamante Cullinan I, conhecido como “Estrela da África”. Este, com 530,20 quilates adorna o cetro do Rei Eduardo VII, que está na Torre de Londres.

Embora essas pedras de brilho intenso nos encantem os olhos existem outros tipos de diamantes altamente importantes e valiosos, porém sem nenhuma valia para sua utilização na joalheria e sim, para perfurações de petróleo, cortes de vidro, ferro e aço, aplicação em indústrias automobilísticas e tantas outras. Nesse segmento, a Rússia é rica nesse tipo de extração. Recentemente, a Rússia revelou ao mundo a existência de minas de diamantes conhecidos como impactites e são duas vezes mais rígidos que os diamantes normais usados para fins industriais. Essa excelência se dá por serem maiores em seu tamanho como por seu corte abrasivo. Essa mina que fica nos limites da Sibéria foi criada por um asteroide que caiu na terra há 35 milhões de anos criando uma zona de impacto de 100 km de diâmetro.
Se analisarmos que, um quilate de diamante representa um peso igual a duzentos miligramas podemos perceber que os diamantes segundo sua transparência e dureza podem atingir valores elevadíssimos que os tornam invejáveis atraindo para eles os mais variados sentimentos como a mensagem que ele possa conter num anel de noivado de um amor eterno, inspirar joalheiros nas mais exóticas e inusitadas peças, inspirar musicas de duplo sentido como o sucesso dos Beatles “Lucy and Sky with Diamonds”, uma canção transformadora como “Diamante” de Damares ou num tema de filme como “Diamonds are Forever” de Shirley Bassey. Ele pode inspirar nome de raças de animais como o “Diamond Horse” ou o “Diamond Gold”,

O diamante inspira também roteiristas de filmes como “007, Al Capone, Diamantes de Sangue, Só os diamantes são eternos, Bonequinha de luxo ou Titanic” entre tantos.
Porém, ao olharmos para essa pedra e a compararmos com o mundo perante o universo e a humanidade podemos perceber que não só o planeta terra como o homem que o habita é como um diamante. O carbono submetido a altas temperaturas como as de um vulcão se transforma em diamante assim como o mundo e o homem submetido à uma química divina vive sua constante modificação. Não só o carbono se transforma na pedra mais brilhante sob a química divina, assim acontece com a terra modificando-se constantemente no dia e na noite, nas estações do ano e o homem, que de sua natureza pré-histórica transformou-se no que é hoje. O néctar colhido pelas abelhas transforma-se em mel, as lagartas em coloridas borboletas, o humilde que, descobrindo em si o diamante que existe nele transforma-se em noticia pois, foi com sua luta, lagrimas, privações, fé e provações que o fez vencedor.

Dessa forma, devemos compreender que, somos carvões submetidos à uma química divina capaz de nos transformar numa joia de brilho intenso. Observemos que o formato de nossos corações se parece com um diamante e o devemos lapidar todos os dias de nossas vidas praticando boas e justas ações com o meio ambiente e com os seres humanos transformando-nos assim na joia linda e mais brilhante.
Deixe, portanto acontecer essa metamorfose em você, pois ela é a química divina acontecendo em sua vida.
                        
                LUCAS PINTO

                    Carnavalesco G.R.C.S.E.S Unidos de Vila Maria

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Gaviões da Fiel 23h20


NO JOGO ENIGMÁTICO DAS CARTAS, DESVENDEM OS MISTÉRIOS E FAÇAM SUAS APOSTAS, POIS A SORTE ESTÁ LANÇADA!
Vai "bater"?
Um ''fiel'' sentimento no meu coração
É nossa vez! Nesse jogo o coringa é o meu gavião
E do futuro, não tenha medo
Nossa vitória, não é segredo
A cartomante revelou
Em um baralho de tarot
A Gaviões é o meu amor

Qual vai ser? Pode ver? Desapareceu!
E aí? Descobriu? Enganei você!
A carta sumiu, foi pura ilusão
Um truque de mestre na palma da mão

Nas artes, a literatura
Na forma mais pura de inspiração
''Maravilha'' estar em cena
"reinou" no cinema, herói ou vilão?
É de arrepiar, o medo que faz o meu sangue gelar
"O culto'', mistério na escuridão
Macabro olhar
A quinta estrela no peito
O sonho de ser o melhor
Vai ser do baralho, o trunfo final
Cartada de ouro
Do meu Carnaval

Chegou Gaviões, respeita!
A minha escola vai emocionar
Um bando de loucos, explode nação
Quem dá as cartas é o Coringão


Enredo:- NO JOGO ENIGMÁTICO DAS CARTAS, DESVENDEM OS MISTÉRIOS E FAÇAM SUAS APOSTAS, POIS A SORTE ESTÁ LANÇADA!

1º SETOR
 JOGADAS DE MESTRE                                                                    
2º SETOR
NAS CARTAS - O FUTURO
3º SETOR
AS CARTAS NA ARTE E NA FICÇÃO - EM CARTAZ UM ESPETÁCULO MÁGICO.
4º SETOR
OUTRA FACE DO BARALHO - O MACABRO
5º SETOR
A GRANDE CARTADA - FAÇAM SUAS APOSTAS
Abertura - Carnaval 2015

             Sob a energia que emana da Fiel Torcida, renasce a luz mágica do carnaval renovando a paixão, o amor e o fascínio de mais uma vez fazer parte desse grande espetáculo da Terra.  Neste ano de 2015 a Gaviões da Fiel Torcida desvendará na avenida o enigmático universo do baralho.

            E como num passe de mágica, o baralho, popular jogo de cartas, há séculos, conquistou o mundo e transfigurou-se numa inesgotável fonte de entretenimento e sabedoria popular. Visto por muitos como apenas divertimento, ele vai além do que possamos imaginar. Sua simbologia carregada de mistérios, segredos e enigmas pode nos proporcionar momentos de  prazer,  êxtase, alegria, auto-estima, entusiasmo e respeito, assim como também pode nos mostrar sua outra face, o seu lado negro, o desconhecido, o diabólico. É o mundo globalizado conectado no passado, presente e futuro revelado em suas cartas. 

            Das suas aventuras e por onde se disseminou , o baralho metamorfoseou-se, formatou-se, adaptando-se ao cotidiano das civilizações que o adotaram , influenciando de certo modo na maneira de pensar e agir desses povos .

            As cartas, elementos de composição do baralho, lançadas à mesa, revelam jogadas, prevêem o futuro, transformam-se em espetáculo, criam identidades de povos e culturas e são projetadas para uma visão futurista da modernidade tecnológica.

            Jogos a parte, seja no tradicional ou no moderno, o baralho ganha cada vez mais   adeptos pelo mundo. Não há limite de idade para entrar nessa brincadeira, seu universo  lúdico é fascinante e logo, logo, todos se divertem na brincadeira do baralho, pode ser jogado sozinho, com outra pessoa ou em grupo, há jogos para todas as idades, da criança ao adulto, para todos os gostos, para todos os fins, todos se descontraem, distraem, brincam, criam e recriam jogadas à sua maneira. Esse clima envolvente embaralha e espalha alegria nessa gente fazendo perpetuar a cultura do jogo de cartas nesse mundo da distração. Sua diversidade em quantidade de cartas, cores, formas, números, imagens, símbolos e regras, inventados e  reinventados, criados e recriados para finalidades adversas, permanecem vivas na cultura do coletivo  humano transmitido de geração a geração. Essa concepção remonta sua origem, que não se sabe ao certo onde teria surgido, alguns apontam pra diversas culturas, sendo chineses, indianos e árabes, mas foi na Europa que se popularizou e espalhou-se pelo resto do mundo. Há vários tipos de baralho e jogos praticados pela humanidade, mas o fascínio pelo jogo de cartas ainda prevalece. Quem um dia não quis brincar de baralho? Quem nunca quis num jogo mostrar à melhor jogada pra ganhar? Quem nunca teve a curiosidade de ver seu futuro revelado nas cartas de tarô ou baralho cigano? Quem nunca se maravilhou com o ilusionismo e quis desvendar o segredo das cartas de um mágico? Quem que nunca teve a curiosidade pra arriscar uma aposta num jogo de pôquer? Alegria... Alegria...Viva a mente humana, máquina de criar sonhos.

            Nos bastidores da trapaça, as cartas, elemento enigmático e místico do baralho, ganham vida e se transportam para o mundo da arte e da ficção, personificados ou não, surpreendem e mexem com os sentimentos mais íntimos e ocultos do ser humano, embaralham sua cabeça. Nas telas do cinema, nos palcos do teatro e na literatura a simbologia das cartas são encenadas num jogo enigmático e sedutor em que a emoção se sobressai sobre a razão e vislumbra destinos traçados pelas previsões narradas nas faces de uma carta, é o jogo da sedução, do amor , do negócio -  é a arte movendo a vida - se mostrando e se exibindo nas diversas formas do pensar e agir. E, é com essa atmosfera de misticismo, revelação e evolução do baralho e sua influência no comportamento das sociedades através dos tempos que contaremos sua saga, uma verdadeira odisséia - do oriente ao ocidente, do sagrado ao profano tudo é mistério e sabedoria . Passado, presente e futuro revelados na avenida do samba. Baralho, história milenar de uma arte, religião ou ofício de ludibriar, confundir a mente humana? Façam suas apostas, pois o Coringão vai te surpreender com uma jogada de mestre para vencer este jogo na passarela do samba.  Tudo é possível, surpreendente e revelador aos olhos do Coringa, pássaro que tudo vê.

            Então venha! Venha se embaralhar aos naipes na avenida faça seu jogo, dê sua cartada, faça sua corte, o seu reinado, torne-se rei, dama, valete, coringa, seja de copas, de ouro, de paus ou espadas, vista sua fantasia e caia na folia. Viva a magia do baralho no carnaval! Viva a magia do jogo de cartas na avenida!        

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Mocidade Alegre 0h30



Nos Palcos da Vida, Uma Vida no Palco...Marília

Divina inspiração, um ato de amor
A arte concebeu Marília
Tão menina, a flor bailarina
Carrega no sangue o dom de encenar
Vai brilhar na ribalta infinita
Liberta, a poesia não vai se calar
Nos palcos de corpo e alma
Desponta no alvorecer
Destino traçado, talento e magia
Estrela a resplandecer

Ê mulher... Lições pra ensinar
São elas por ela, mil vidas contar
Tem Carmem Miranda, ganzá e pandeiro
De saia rodada, ginga no terreiro

Dama do cinema e televisão
Em qualquer cenário transmite emoção
Graciosidade e carisma
Um anjo da noite embala criança
A lua cheia de amor reflete esperança
Meu samba chamou você pra sambar
E te consagrar rainha do nosso carnaval
Pois o teu nome já é imortal...Bravo, Marília!
Orgulho do nosso país... És musa, brilhante atriz
O mundo a reverenciar...
Nossa "Morada" a homenagear!

Vem aplaudir a diva nos palcos da vida
Faz delirar, meu povo alegre a cantar
Mulher guerreira, bem brasileira
A Mocidade é Marília Pêra


Seu nome... Marília Pêra!
Atriz, bailarina, cantora, diretora e coreógrafa, Marília nasceu em uma família de artistas e desde pequena – curiosa e atenta ao comportamento humano – observou com reverência a trajetória de grandes atores, e deles buscou ser espelho para construir sua história no teatro, cinema e televisão. Falar de Marília é falar do jeito brasileiro de atuar... Exaltar Marília é celebrar a cultura nacional... Eis aí a nossa nobre missão: Reverenciar sua obra! Inspirada pelo talento da grande homenageada, a Morada do Samba vai passar... Com a magia dos deuses da arte, o requinte de uma peça sheakespeariana, a irreverência de um teatro de revista, o encanto luminoso de um filme, a emoção de uma novela... E com a dignidade de uma Escola de Samba! E ela, que brilhou esplendorosa como estrela nos palcos da vida, arrancando calorosos aplausos, hoje brilha na constelação desse palco iluminado dos sambistas. Tomem seus lugares... O último sinal tocou, as cortinas se abrirão... O show vai começar! Avante, Família Mocidade Alegre!

Sinopse do Enredo Ato 1 – Luzes da Ribalta... A Arte Inspira a Menina-Bailarina... Surge Uma Estrela!

Evoé!
Lá, onde os imortais venceram o tempo, um cortejo de bacantes faz as oferendas em louvor a Dionísio. É desse eterno ritual que emana a força vital do Carnaval e do Teatro, juntos e inseparáveis. Nessa delirante festa de celebração à vida, o belo Apolo – deus da luz do sol, da beleza e da arte – encontra Terpsícore, a Musa da Dança.
Do bailado divino desses dois seres, sela-se o destino de uma menina, Marília. Filha de Manoel Pêra e Dinorah Marzullo. Neta de Antônia Marzullo. Sobrinha de Abel Pêra. Todos eles atores!... Nascida em uma família de artistas. Por serem artistas, já estavam todos a um passo da imortalidade.
Embalada por acordes musicais e vozes possuídas pela glória de viver mil vidas, teve aos dezenove dias de existência a sua primeira oportunidade de subir ao palco de um teatro. Nas coxias, brincou com as musas da canção, da comédia, da tragédia, do bailado e da fama. Aos quatro anos já era uma atriz, com o texto e a marcação de cor, e envolta aos encantos dos grandes clássicos do teatro universal.
Alimentada pela atmosfera atemporal dos palcos, pela poesia – que baila livre e incontida como a poeira sob as luzes da ribalta – e pelos aplausos, cresce a menina que teve nas coxias seu berço, seu jardim da infância, sua escola, onde ela viu os pais e seus colegas atuarem, fazendo dela graciosa bailarina.
Definitivamente, seu destino não haveria de ser outro senão o mágico dom de representar... Ao nascer e crescer iluminada pelos deuses ganhara a missão de cantar e encantar para que, um dia, viesse a se tornar uma diva imortal.
Um talento a revelar, um destino a se cumprir... Eis que surgia uma estrela!

Ato 2 – Nos Palcos, o Alvorecer!


Seguindo o destino traçado pelos deuses, alçou longos voos em sua brilhante carreira...
Do início como corista ao posto de atriz principal, Marília Pêra tornou-se uma respeitável dama do teatro brasileiro, graças à sua versatilidade no trânsito entre a comédia e a tragédia e a uma disciplina incomum aos meros mortais.
Viveu, com brilhantismo, grandes clássicos do teatro universal, dando vida e voz muito especiais a ricos personagens de montagens consagradas, como Medeia, A Megera Domada, Ópera dos Três Vinténs e O Barbeiro de Sevilha.
Brilhou em Se Correr o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come, em Fala Baixo Senão Eu Grito, em Apareceu a Margarida, em A Vida Escrachada... Célebres e impagáveis atuações!
Que Deus lhe Pague, pois nem os duros “anos de chumbo” – em que uma Roda Viva aprisionou e torturou a poesia e a liberdade – conseguiram apagar o brilho dessa estrela, que tem como sina a arte de fazer a plateia rir ou chorar.
Marcou seu nome definitivamente no panteão dos deuses dos palcos brasileiros ao protagonizar diversas montagens, dentre elas Toda Nudez Será Castigada, Victor ou Vitória, Gloriosa e Alô Dolly.
Assim foi, no palco, o Doce Deleite de declarar seu amor ao teatro e à classe artística, exaltando os muitos profissionais da cena, verdadeiros operários que mantém viva a vida que se mostra ao descerrar das cortinas.
O Brasil e o mundo conheceram a genialidade de uma lenda dos palcos... Era apenas o início da consagração, pois viria também a se destacar como cantora, coreógrafa e diretora...
A estrela aceitou o seu destino: o destino de brilhar!

Ato 3 – Grandes Mulheres Em Uma Grande Mulher... Elas Por Ela!

"...A criança que eu fui, assistindo e escutando o trabalho dessas
Grandes artistas, atrizes e cantoras
Mulheres apaixonadas e apaixonantes
Que de certa forma contam a nossa própria história
Essa criança permanece viva dentro de mim
Imutável, encantada...
E eu gostaria que ela ficasse sempre comigo
Para que juntas pudéssemos cantar, dançar, representar... Viver
Todas as nossas possibilidades de mulheres e de artistas
E assim, sermos felizes!”
(Texto de André Valli, especialmente para Marília Pêra no espetáculo Elas por Ela)

Fascinada pelas mulheres ousadas e maravilhosas, que ora influenciaram a cultura mundial, ora construíram o panorama musical brasileiro no Século XX, Marília fez questão de, carinhosamente e respeitosamente, revivê-las no palco.
O carinho pelas grandes divas da ópera, pelas vedetes do teatro de revista, pelas rainhas do rádio e pelas musas da MPB levou Marília a atuar em inúmeros musicais, onde ela declarou seu amor e admiração pelas estrelas da canção.
Presenteou o público com deliciosas atuações, encantando e cantando obras imortalizadas por reluzentes estrelas da música... Passeou por canções eternizadas nas vozes de Maria Callas, Chiquinha Gonzaga, Aracy de Almeida, Emilinha Borba, Dolores Duran, Dalva de Oliveira, Ângela Maria, Nara Leão, Nana Caymmi, Dona Ivone Lara, Clementina de Jesus, Clara Nunes, Elis Regina...
É reluzente, no espetáculo Elas por Ela, sua homenagem a Aracy Côrtes entoando os versos de Tem Francesa no Morrô: “Dance Ioiô...Dance Iaiá...”
Além de nomes imortais da música, como a inesquecível Dalva de Oliveira em A Estrela Dalva, também exaltou, com maestria e beleza, grandes responsáveis pelo fortalecimento da figura feminina na sociedade moderna... Representou célebres mulheres, dentre elas a glamourosa estilista Mademoiselle Chanel e a lendária primeira dama do Brasil, Dona Sarah Kubistcheck... São atuações inesquecíveis, que fazem de Marília Pêra uma artista ímpar na arte de reviver talentos e grandes valores do nosso tempo.
Eis o seu fascínio pelas “muitas mulheres que nela habitam”! Entre tantas estrelas vividas por Marília, a mais emblemática e carismática é Carmem Miranda – “A Pequena Notável”, que ela representou mais de oito vezes, com seus balangandãs, seu sorriso irresistível e seus versos mundialmente conhecidos...
“O meu ganzá faz Chica Chica Bum, Chic...
Prá eu cantar é Chica Chica Bum, Chic...
É brasileiro o Chica Chica Bum, Chic...
Com um pandeiro fazendo Chica Chica Bum, Chic...”

Ato 4 – A Grande Dama... Das Telas Para os Braços do Povo

Marília Pêra tornou-se grande dama das artes no Brasil por ter oferecido seu raro talento a todos os meios onde o dom de atuar se faz presente.
Tão reluzente quanto seu brilho nos palcos dos teatros foi seu carisma nas telas do cinema e da televisão. Brilhou, com merecido destaque, em todas as searas por onde passou... Uma artista completa, versátil e carismática.
O cinema, desde seu surgimento, marcou o destino dos grandes artistas e com ela não foi diferente: na magia da “Sétima Arte”, Marília brilha no Bar Esperança, que reúne artistas, poetas e sonhadores que acreditam: Dias Melhores Virão! Enquanto isso, lá fora, Pixote está sob a proteção dos nada santos Anjos da Noite.
Televisão, o Brasil se emocionou e torceu pelo destino de personagens fascinantes em novelas, seriados, minisséries e especiais, fossem elas astutas como a Manuela em Beto Rockfeller, sofisticadas como a Rafaela Alvaray em Brega & Chique, amargas e vingativas como a Juliana em O Primo Basílio, batalhadoras como a camelô Genu em Lua cheia de Amor ou oportunistas como a Milu Montini em Cobras & Lagartos.
Como não se comover com a desafortunada prostituta morta Erotildes, da minissérie Incidente em Antares? Morte, aliás, que é vencida pela alegria por Darlene, a querida alcoólatra maquiadora de defuntos no seriado Pé na Cova.
No cinema, a expressão que fascina... Na televisão, a emoção que arrebata... Uma diva brasileira nas telas do mundo!

Ato 5 – Uma Artista Completa e Brasileira... A Consagração de Uma Estrela: Obrigado, Marília!

Brasileira de corpo e alma, Marília Pêra já brilhou muitas vezes na passarela do samba, defendendo com garra cada personagem. Na avenida ela já foi Carmem Miranda, Nair de Teffé, Coco Chanel... Mas hoje ela será... Ela!... Absoluta, fulgurante, uma verdadeira diva!
Marília dedicou grande parte de sua carreira ao resgate e a valorização de artistas que desenharam a identidade do país. Além das divas da canção, nossa homenageada também interpretou Ary Barroso – e sua Aquarela do Brasil; e o Rei Roberto Carlos, a 120... 150... 200 Km por Hora.
Seu talento nato lhe rendeu grandes e cobiçados prêmios – no Brasil e no mundo – oferecidos em reconhecimento pelo amor e dignidade com que trata sua arte, sua profissão. É o amor de quem nasceu, cresceu, amou e, enfim, viveu no palco. Um amor verdadeiro que é percebido popularmente em todo o país, que aponta Marília como uma das mais queridas atrizes brasileiras.
E hoje – diante de uma plateia emocionada – a Mocidade Alegre, carinhosamente, transforma a passarela em um imenso teatro, para declarar ao mundo sua gratidão e reconhecimento a ela... Marília Pêra, que viveu tantas vidas em sua vida, agora será vivida, cantada, dançada e aplaudida de pé por todos nós, os sambistas que tanto nos orgulhamos de sua arte...
Eis a merecida celebração de uma vida no palco... O palco do samba! Cumprindo os desígnios dos deuses, tú és imortal...

Bravo, Marília!

Sidnei França Carnavalesco

G.R.C.E.S.Mocidade Alegre – A “Morada do Samba” – 10 de Junho de 2014

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Império da Casa Verde 1h40



Sonhadores do Mundo Inteiro: UNI-VOS
Vem sonhar
O sonho de hum sonhador
Meu "Tigre" Faz rápido Você Acreditar
Que É Possível Ser Criança
E a felicidade Encontrar
Gira o carrossel da Imaginação
Nada se Explica, Tudo se Transforma
A Realidade se funde uma fantasia
Meu reino encantado toma forma
Dançar num baile tropical
Onde o Faz de Conta se Encontra
Corações a mil
Dos sonhadores fazer universo infantil

Marley, celebra a paz
Zumbi, a Liberdade
Mandela, Igualdade e Respeito
De Verdade

Genios da Inspiração, imortais artistas
Um "salvador daqui" Me Diz:
"Os sonhos NÃO morrem jamais"
A arte de sampa e SUAS esquinas, Reluz a Criação
"Alguma Coisa Acontece no Coração meu"
E Carnaval!
Disperta um Emoção
No paraíso da loucura
De Pamplona a João
Brilha uma Estrela
"O meu sonho de Ser Campeão"

A Casa Verde e ... de amor
Se o Império me Chamar Eu Vou ...
O dono Dessa folia, sou eu

Embala eu ... Embala eu!

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Acadêmicos do Tatuapé 2h50



"Ouro" Símbolo da Riqueza e Ambição

A luz da poesia
Clareia o meu Caminhar
Dourado, de metal precioso
No egito eu vi brilhar
Na mitologia num toque refletiu
Seu Brilho that ao Mundo seduziu
Pureza do nas Antigas civilizações
Nobreza coroando como Nações
No Meu Brasil, e Arte, luxo e ambição
Com Chico Rei ... Libertação
Força, Fé e Adoração

Ora iê iê ô ...
Ora iê iê Oxum ...
Senhora do Ouro de Toda Riqueza
Ora iê iê Oxum ...

Ouvi ...
Lendas do Folclore populares
Quanta alegria em Cada Olhar
Piratas em busca do Ouro
Tesouros Mil, infantis encantos
São Premios, e Glórias Conquistas
E ouro ...
Quero uma vitória, medalhas e louros
Na Força da Nossa União
O sonho de gritar E Campeão

Hoje o povo cantar vai ... Feliz
Minha vida meu lugar ... Minha raiz
Tatuapé o meu Maior tesouro
Gira meu Pavilhão ... É ouro



Enredo

Um principal utilização cabelo Homem foi ter Seu valor Empregado em Padrões de Moedas. A Segunda Maior utilização joias EM FOI. Todas como pedras e metais preciosos TEM grande Utilidade Pará Joalheiros, mas com certeza E o Objeto de Desejo Maior e utilização Desses Profissionais, Graças A SUA Alta maleabilidade agregada Ao Seu alto valor. Ourives fizeram fama e fortuna com Seu talento em Manipular SUAS Formas. Como Por Exemplo, o russo Peter Carl Fabergé, AO imortalizar SUAS joias em forma de ovos de Páscoa parágrafo OS Czares. Hoje a moda E o Funk ostentação, Onde centenas de MCs oriundos de comunidades carentes se destacam com o SUAS Canciones, mas criando trajes e Acessórios Muito Próprias, Correntes gigantescas cabelo e Pescoço Pelos pulsos, Relógios, brincos, Tudo Muito Valioso, ostentam Muita Riqueza Muito ouro, TALVEZ pra Fazer valer ESSA Virada Tão repentina em SUAS Vidas. O ouro ESTÁ Presente na História das Copas do Mundo, Quem NÃO se Lembra do Esquadrão de ouro da Seleção canarinho da copa de 70, e vamos Mais Fundo AINDA NÃO na História Quem se Lembra Que Além de se tornarmos Campeões Mundiais Dessa copa realizada no México , Nossa Glória Maior GAT famosa Taça Jules Rimet foi Roubada Aqui no Brasil e Mais tarde derretida Virando Uma história sem Solução ATÉ Os Dias de Hoje.
Nas Competições Esportivas Lá ESTÁ ELE Novamente sem peito dos Campeões, ostentado POR ELES COM Orgulho em forma de medalha, um grande Exemplo Disso São como Olimpíadas that mobilizam O Mundo Inteiro e Todas As Modalidades Esportivas em busca Dessa vitória Tão sonhada e recompensada Por uma medalha de ouro.

Melhores OS fazer cinema São Premiados com o Oscar, Uma ESTÁTUA dourada; hum cantor de Sucesso Ao atingir Uma boa vendagem E Premiado com hum disco dourado. No Esporte los Geral Os Grandes Vencedores São Premiados com Troféus, Assim Como Premiações indivíduos sem futebol Como um GAT famosa Bola de Ouro, parágrafo O melhor jogador do campeonato, or chuteira de ouro dada Pará o artilheiro, enfim OS Campeões de Todas As Modalidades da vida SEJA qua FOREM, São Premiados com Troféus de Ouro, comprovando e ratificando Sua Excelencia.

O Tatuapé, com Muita humildade e Respeito, Segue em busca do Sucesso e da Vitória.

O ouro E o SUCESSO; O ouro E uma VITÓRIA.

CARNAVAL 2015 SP - Sábado Vai Vai 4h00



Simplismente Elis

Reluziu, seu canto ecoou no meu Brasil
Cantora igual jamais se ouviu
Saracura a cantar, Bem Mais Feliz
Simplesmente Elis

Carnaval um Bela Vista ESTÁ em festa
Qua qua ra qua qua
Vem viajar, uma hora E ESTA
Mergulhando na Emoção
Encontrei Inspiração
Que linda voz, Salve a Rainha
Fiz Louvação em aquarela
Na passarela Hoje TEM arrastão

Upa neguinho na estrada E Demais
Vou a romaria Como NOSSOS pais
De hum Falso Brilhante eu fiz fantasia
Maria Maria

Águas de março a rolar
Trem azul Passar vai, um sonho mais lindo
Na batucada da vida, um samba no Bexiga
Vai amanhecer
A cantar a dor o amor O bêbado ea equilibrista
A voz do povo Diz Que o espetáculo de todo artista
Tem Que Continuar
Glória fino da bossa com Jair só alegria
Hoje retrato em preto e branco na folia
A grande estrela Deste meu país

("Lare lare larere .....

lala laialalaia ...... ")


CARNAVAL 2015 SP - Sábado X9 Paulistana 5h10


"Sambando na chuva, num pé d'água UO na garoa, sou um Numa Boa X-9!"
Compositores: Fabinho NT, Vitor, Digo Sá, Denola e Mazinho

No Céu, Nuvens se espalham cabelo ar
Cigarras cantam pra te anunciar
Oh chuva, tu és a Minha Inspiração
FOI dilúvio e Destruição, a Arca de Noé a Salvação
Lendas, rezas, rituais, Uma dança that atrai
Um lindo Véu sagrado
A fonte that da Vida Ao Meu Carnaval


Vento forte a soprar ... Oiá
Oxum, Nanã e Xangô ... Orixás OS Salve
Num arco íris de luz, a VEM Oxumarê
Para nsa banhar com o Seu axé


Meu São José, o sertanejo clama em Oração
Que Venha desaguar no sertão meu
Florescendo ESSE Chão
És divinal! No dia a dia de e essencial
A ESTÁ Consciência
Em alertar pra NÃO faltar
Nºs contos imortais, a sorte dos Casais
"Cantando na chuva" de prata Que cai
De alma Lavada
Jogo confete e serpentina cabelo ar
Quarenta anos, Hoje vou comemorar
Pra sempre vou te amar


Deixa chover, Deixa molhar
A Nossa festa Não Tem hora pra Acabar
Eu quero ver rápido você sambar
Com um X-9 Ate O dia clarear !!


Enredo: "Sambando na chuva, num pé d'água UO na garoa, Sou a Numa Boa X-9!"

Sinopse Versada - Carnaval 2015
Carnavalesco: André Machado

Fenômeno de Deus
Anunciado cabelo Canto das Cigarras
Onde o Céu encosta o Chão
A escurece Nuvem
Fazendo o dia virar Noite
Numa Revoada de andorinhas
Enchendo o ar de Esperança
E OS sonhos de Quem a espera -
A chuva
Do Mundo, tu foste um Já Destruição
Vieste Pela forma de dilúvio
Alçando uma arca Mais famosa
Sagrado Refúgio da Criação
Que Noé com SUA Fé construiu
Oh Chuva Indispensável!
Do solo, fizeste brotar a Natureza
O recomeço, uma Transformação
De SUA gota criaste O Homem
A Nação Pataxó
E dos Peixes, uma lágrima, um Precipitação
Sobre os campos, vales e Florestas
Irrigando como Nascentes
Sangrando uma terra com Seu Líquido santo
A água - Que É uma fonte da vida!
Ah gloriosa Chuva!
Aos teus Pés dançamos Pará Querer-te
QUANDO rápido Você insiste em NÃO vir
Tua chegada POR E vezes silenciosa
Por hora, acompanhada de fragor
Espalhada Pelos ventos de Oiá
Para molhar O Rosto Exposto
Lavar a pele, purificar
Saldar Nanã, a deusa da lama
Divina Mãe do Fundo dos rios
E Dan invocar uma serpente grande
Sobre a forma Hipnótica do Arco-íris
E Conduzir como Águas de Oxum Ao reino de Xangô
Colorindo o firmamento
Oxumaré ... Arroboboi!
Chuva, Enigmatica chuva!
Em SUA ligeirice o ar se Enche de aquarela
Que Pela ponte nsa lev Ao tesouro
Contido num pote de ouro da Nossa Imaginação
Já tua ausencia, castiga o Chão do sertão
Ferida Que racha a caatinga de sol e de dor
Flores Cenário SEM, SEM O Canto dos Pássaros
Cujas Sementes germinam NÃO, APENAS uma Fé
Ou a sorte de Macambira e mandacarus
Porem, TEMOS São José!
Para abençoar e trazer de volta a alegria do sertanejo
Salvando a Colheita, o gado eA mesa em Oração
Tanto Que gratos cabelo Mais singelo chuvisco
Os animais se mostram Felizes Nos pastos
Peões OS contentes Com uma lida
E festas se fazem em tua homenagem
Para brindar a fartura
Desde o campo Até um grande Cidade
Contudo, Nem sempre DEPOIS da Tempestade VEM um Bonança
Enquanto pra uns, traduzes uma felicidade
Outros Pará, tu és a Vila dos Feriados prolongados
E Não É Difícil ver-te PROMOVER o caos
Decorrente do Nosso descaso com o Meio Ambiente
Tu és o medo NAS Encostas dos morros
Sem Trânsito, a Desordem Pelas Ruas da Cidade
Sobre as enchentes, o suplicio dos desabrigados
Teu Excesso e tua escassez São Motivos de Reflexão
Um Exercício de Consciência
Tu és a Agua que Nutre um Cantareira
A tua Presença motiva o Descarte Correto do Lixo
A ausencia tua, o Consumo Consciente da Água
Rápido Você gera Energia Ao MESMO ritmo em that causa apagão
A sede luz eA
A preguiça disposição eA
No imaginário popular,
Tu és a Agua que São Pedro lava a casa
O Casamento da Viúva when contigo o sol Misturas
De arroz, és o Desejo de PROSPERIDADE
De Pétalas de rosas, o amor eterno
Para algo Negar, de Você retiramos o cavalo
MESMO Que chova canivete
AINDA Que chova na horta
Teimosa tu insistes em Chover no Molhado
Para quem Queirã andar em ti e se molhar
"Cantando na chuva"
Trazendo a tona como Lembranças da infância
ATRAVES Do Teu cheiro especial
Vindo dos pingos Que se estralam cabelo Chão
Ruído Que servir Como Acalanto
Pará como Noites incômodas de insônia
Pois, Não Há Quem NÃO Curta adormecer
Escutando-te tocar no Telhado, ritmada e Faceira
E NAS tardes de Chá
Saboreando OS bolinhos de chuva Feitos Pela vovó
Que antecedem uma sopa quentinha OE xarope de mel
Para A evitar gripe
Oh chuva!
Prateada, iluminas OS enamorados
Tu és Aquela Que aproxima
Pelo Lado de Dentro da Janela, tu refletes o aconchego
MESMO COM como goteiras no barraco
Fóruns la, rápido Você Dá charme A Cidade
Nos guarda-Chuvas Que se esbarram NAS Calçadas
E NAS capas respingadas Pelos Passos apressados
Fugirmos do Ao fazer temporais Como se Faz Aqui em Sampa
Onde Seu repertorio variado E
Podendo Ser forte, fina, continua
Pesada, ácida e ATÉ congelada
Inesperada, Chegar sem ter hora Pará
Longe do confete e serpentina da
Ah chuva tu és temida no carnaval
O banho de Água Fria não sonho do artista
Por Lado Outro, uma ducha Que lavou Nossa alma
Revigorando o amor xisnoveano
E a sede de sermos Campeões
Entao, chova, chova sem parar!
Para brindar NOSSOS Quarenta Anos de História
Pois O Que foi Nosso algoz Será, Nossa Força
Porque:
Sambando na chuva, num pé d'água UO na garoa

Sou uma boa X9 NUMA!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

CARNAVAL 2015 SP - Sexta Feira Mancha Verde 23h15



Enredo:- 100 anos de Lutas e de Glórias.

INTERPRETE - FREDY VIANNA
COMPOSITORES:
SILAS AUGUSTO, MARCELO CASA NOSSA, AQUILES DA VILA, CHANEL, BRUNO MANCHA E JC CASTILHO

Samba Enredo Oficial Mancha Verde 2015


Samba Enredo Mancha Verde(Video Clip) Allianz Parque


Introdução

O enredo “Quando Surge o Alvi-vede Imponente, 100 Anos de Lutas e Glórias”,  mostrará o surgimento da Sociedade Esportiva Palmeiras,  há 100 anos e sua vida neste período. Contará algumas das histórias desta Sociedade, histórias que não passam apenas pelo futebol, e sim por uma existência repleta de acontecimentos sociais e culturais que se misturam à vida de São Paulo e do Brasil.
O enredo enaltecerá ainda, seus 100 anos de lutas – a luta dos seus fundadores, os Italianos recém chegados a um Brasil ainda influenciado pelo fim da escravidão. Um imigrante que ajudou a construir a grandeza desta terra, mas que teve que batalhar para se afirmar socialmente em um país desconhecido e aristocrático, e que o discriminava.  Passará pela perseguição a este povo durante a segunda guerra mundial. E, finalmente pelas lutas de uma já imensa e apaixonada torcida que nem sempre viu seu time no lugar mais alto do pódio esportivo, mas que jamais deixou de ter orgulho de ser palestrina, palmeirista ou simples e suficientemente, palmeirense.
E esta luta está diretamente ligada ao orgulho de preservar a memória de seus ídolos e os costumes de seus antepassados. O orgulho e a força para lutar que passam de pai para filho, de avô para neto. E que fizeram o Palmeiras nascer, moldado nas associações esportivas e culturais da Itália, e sobreviver a 100 anos de intensa atividade.
  
E de onde vem nossa força?
O Palmeiras, foi fundado como Palestra Itália em 1914, por Italianos. Eram imigrantes, que vieram para o Brasil substituir, a princípio, a mão de obra negra e escrava pós-abolição. Italianos que descenderam diretamente do povo Romano: forte, guerreiro, dominador e crente de seus Deuses Mitológicos, que lhe conferiam ainda mais força e confiança. Como a Deusa Vitória e Deus Marte, o Deus das Guerras. [CASAL]

Introdutor da civilização moderna, este povo foi formado por guerreiros que conquistaram o mundo na antiguidade e na idade média, lutando nos frios campos de batalha da Europa, Oriente, Ásia e África. Guerreiros que mais tarde lutaram para proteger a Casa de Savóia – base da família real italiana. [ALEGORIA 1]
Hoje sua torcida é formada pelos filhos, netos e bisnetos daqueles italianos que junto com a diversa massa de brasileiros espalhados por todos os cantos do país, tem na alma a mesma força, garra e amor para defender as cores de seu clube. Somos resultado da herança de nossos antepassados e da herança dos guerreiros romanos. È daí que veio a força que fez o Italianos vencerem no Brasil.

A saga italiana em terras paulistanas
A Itália, desembarca no Brasil – O povo italiano chegou ao Brasil no fim do século 19 para trabalhar predominantemente nas lavouras de café, substituindo a mão de obra escrava, recém liberta. Se os homens trouxeram o braço forte para cuidar das lavouras, as mamas trouxeram as tradições da culinária, as massas e seus molhos de tomate. Também trouxeram sua arte, sua música clássica e o seu teatro [ALA 1]. E a herança italiana não parou por aí. Se ela hoje é sinônimo de culinária paulistana, e está presente antes ou depois dos jogos do Palmeiras, a pizza chegou por aqui junto com os italianos. Naquele tempo não havia pizzarias e era entregue de casa em casa. [ALA 2]

E no começo do século já estava se movendo pouco a pouco para as cidades que se formavam. São Paulo, que tinha os barões do café ainda dominando a sociedade, passou a conviver com o italiano que trabalhava como operário nas nascentes indústrias. As mamas chegarão ao Brasil trazendo sua

Alguns juntaram o que ganharam no campo e também se tornaram industriais, desafiando o domínio e poderio econômico dos paulistas, a exemplo da família Matarazzo, Crespi, Scarpa. Apesar da ascendência econômica, esse italiano ainda sofria com a discriminação dos paulistas tradicionais.

E foi assim, fazendo muita festa, com seu vinho  [RAINHA DE BATERIA] e com muita tarantella, [ALA 4]mostrando a sua música clássica [ALA 1] que encantava a todos na época, e trazendo a sua forma de cozinhar  [ALA 1], que tanto as mamas, como os entregadores de pizza [ALA 2]nos deixaram para sempre como marcas, o italiano foi tentando se afirmar socialmente. O jornal Fanfulla, em italiano, em contraponto ao Diário de São Paulo, tinha a segunda maior tiragem diária, no começo do século 20. [ALA 5]Tinha como uma de suas missões: manter viva a tradição e a auto-estima do imigrante. [ALA 3]

A Fundação do Palestra – a Força da Comunidade Italiana
A fundação de um clube, pelo imigrantes,  nos moldes das associações existentes na Itália, em que o esporte se aliava a convivência social, foi uma maneira de reafirmar sua força e sua conservar suas tradições. Após a excursão dos times do Torino e do Pro-Vercelli, a São Paulo em 1914,  a idéia se solidificou.
Alguns jovens imigrantes e filhos de imigrantes, como Vicente Ragognetti, a grande maioria operários da Indústria Matarazzo, publicaram no Fanfulla a convocação, para que se reunissem no dia 19 de agosto. A primeira reunião não foi muito bem, mas em uma segunda, no dia 26 de agosto, no salão Alhambra, 46 pessoas fundaram a Societá Sportiva Palestra Itália. Entre eles os 4 mais entusiamados, Luiz Cervo, Vicente Ragognetti, Ezequiel Simone e Luiz Emmanuele Marzo.
Em 9 de janeiro de 1915, ocorreu o baile de fundação do Palestra Itália, no Clube Germânia com a presença do Consul da Itália Pietro Barolli [ALA 6]e em  24 de janeiro de 1915 o primeiro jogo com o Savóia de Sorocaba. Palestra Itália  vence por 2 a zero. [ALA 7]

Conquistando a Nossa Casa – Nossa Força Novamente nos Guia
Com a ajuda do Conde Francisco Matarazzo o Palestra adquire o terreno da cervejaria Antárctica. No local já havia um campo de futebol e ainda espaço para diversas outras modalidades esportivas e atividades sociais e culturais. Era no local já conhecido com Parque Antarctica (nome que até hoje é visto nas placas de orientação de trânsito de São Paulo) que ocorriam passeios de muitos italianos e mesmo “ paulistas”  que faziam ali seus já famosos Pic-nics. Ali também aconteceu a chegada da primeira corrida de automóvel da América do Sul e o pouso do primeiro avião do correio aéreo brasileiro em terras paulistanas. No espaço,  ocorreu a encenação da Ópera Aida, vinda da Europa. Um marco para a música e cultura paulistana e brasileira. Mas o Palestra e o Parque Antarctica, não viviam apenas de futebol ou vida social, muitos outros esportes eram praticados desde sua fundação. Um deles, que se sobressaiu, e ainda hoje, ostenta as cores do clube foi o Basquete.
A relação de amor do clube e de seus associados com a sua “casa” tem uma explicação. O Palestra, por ter sido fundado seguindo os moldes de uma associação italiana,tinha na sua sede e na convivência familiar de seus associados, a base de seu sucesso.

A história do Palmeiras no futebol já começa a ser escrita e em 1920 conquista o primeiro título paulista e em 1933 impôs uma sonora derrota ao seu arqui-rival de ontem e de hoje, 8×0 – sobre o time fundado, na várzea, na região do Bom Retiro, e que se opunha em tudo ao time formado por uma associação de  Italianos.

Segunda Guerra e a perseguição aos ítalos-brasileiros – O Palestra ainda mais forte
Na década de 1940 o mundo recém saído de uma guerra, se viu novamente impactado pela Segunda Guerra Mundial. O Brasil de Getúlio Vargas, ora alinhado com Benito Mussolini, (do chamado eixo: Itália, Japão e Alemanha) foi pressionado a aderir aos aliados (Estados Unidos e demais países da Europa). E tudo o que fizesse referência aos países do Eixo foi proíbido ou perseguido.  Foi nessa época que o governo obrigou o Palestra Itália a mudar de nome e primeiro para Palestra de São Paulo em 16 de abril de 1942. E, finalmente em 14 de setembro, por nova ordem do governo, muda para o definitivo Sociedade Esportiva Palmeiras.
Foi nesse dia, quando houve a mudança de nome, que o Palestra foi dormir Palestra e acordou Palmeiras. Abolindo o vermelho do uniforme. Era o dia da final do campenato Paulista. E o novo Palmeiras foi campeão, o  Palestra Morre Líder, o Palmeiras Nasce Campeão. Foi neste jogo que o General e Vice-Presidente Aldalberto Mendes entrou em campo como os jogadores que carregavam a bandeira do Brasil, para demonstrar a sua brasilidade, apesar da perseguição por conta da guerra. Este ato ficou consagrado como Arrancada Heróica.

Uma era de glórias
O Palmeiras segue ganhando títulos e em 1949 faz a primeira excursão internacional, para comemorar o cinquetenário do Barcelona. Encanta a Europa.
Entre 1950 e 1951 conquista um feito até então nunca alcançado. Vence o torneio início, a Taça SP, o campeonato paulista, a Copa Rio e o Torneio Rio-São Paulo. São as 5 coroas.
A copa Rio, era um verdadeiro campeonato Mundial com times da Europa e America do Sul. Uma espécie de ressaca da derrota brasileira no Maracanaço de 1950, para o Uruguai, na Copa do Mundo. E, frente ao Juventus, ganhou em 22 de julho o título internacional. O Seu verdadeiro título mundial. Já em 1965, na inauguração do Mineirão, é convcado pela CBD para representar o Brasil frente a seleção uruguaia. De camisa amarela, o Palmeiras vence por 3 a zero.

2 Academias
Na década de 60, ninguém fazia frente ao Santos de Pelé. Mas em 1960, como campeão da taça Brasil, vice da libertadores de 1961 e campeão paulista de 63 e 66, o Palmeiras, com a chamada Academia de Futebol, não permitiu o decacampeonato do Santos. Djalma Santos, Djalma Dias, Waldemar Carabina, Dudu, Ademir da Guia, Servilho, Tupãzinho, eram nomes que faziam o Palmeiras brilhar.
De 1972 a 1974, veio a segunda academia, os mesmos Dudu, Ademir da Guia, somados a Leão, Luis Pereira, Leivinha, comandados por Oswaldo Brandão, sendo bicampeão Brasileiro em 72 e 73.

Um  Intenso  Jardim Suspenso
Esta é uma fase memorável em que o campo do Parque Antarctica, fica famoso como jardim suspenso, e a vida do clube se torna agitada dentro e fora dos gramados, com os títulos paulista de 1974 e 1976. Na vida social nos anos que seguem, Palmeiras brilha fora das 4 linhas com os Periquitos em Revista, um grupo ate hoje conhecido internacionalmente pelas performances artísticas com seu patins. O seu Palácio das Festas, localizado sob a curva da arquibancada do agora antigo estádio , reune mais de 10 mil pessoas em seus saudosos bailes de carnaval e nas festas de música black que paravam São Paulo, embalados pelo Chic Show.

A dura era sem glórias – mas com a tradicional força palestrina
Desde 1976 sem ganhar um título, o Palmeiras amarga uma difícil jornada. Seu torcedores, mais uma vez não se intimidam e embalados pela força de seus ancestrais e pelo amor ao time verde e branco, ignoram 18 anos sem gritar campeão. A torcida Mancha Verde, que deu origem a esta escola de samba, surge em 1983, para defender as cores e a torcida do Palmeiras por todo o Brasil.  A torcida fanática e apaixonada ignora quaisquer tipo de provocações e assume o porco, ora gritado prejorativamente nos estádios como seu símbolo ao lado do Periquito.
Uma década de glórias
E este amor e lealdade é compensado pelo título paulista de 93 e 94, e pelos títulos brasileiros dos mesmos anos, além do Rio-São Paulo de 1993. Um time de estrelas comandado por Evair, ao lado de Zinho, Edmundo, César Sampaio, Antonio Carlos, dentre outros, fez do Palmeiras a maior força do futebol brasileiro da década de 90.
O que foi coroado com o título da copa do Brasil de 1998, que o levou a libertadores, quando comandao pelo maior goleiro da história do Brasil, São Marcos, camisa 12, venceu o Deportivo Cali, chegando a sua mais expressiva vitória.

Uma nova identidade ao palestra – a força de sua história, dos seus ídolos e de sua torcida

Uma nova casa, a torcida mais apaixonada, uma história repleta de glórias. O Palmeiras chega aos 100 anos se reinventando sobre as sólidas bases de uma vida gloriosa.


CARNAVAL 2015 SP - Sexta Feira Acadêmicos do Tucuruvi 0h25




Enredo: Entre Confetes e Serpentinas, Tucuruvi lembra as marchinhas do meu, do seu, do nosso Carnaval.

Bate o bumbo Zé Pereira, avisa o povão
Que a mulata é sensação
Olha só, a cabeleira do Zezé
Será que ele é? Será que ele é?

Allah, meu bom Allah
Cachaça não é água, quero me acabar
Sou da turma do funil, tenho a cara do Brasil
Ranchos e cordões
No girar do estandarte
Salve a essência da folia
Vozes imortais encantaram multidões
Entre confete e serpentina
Atravesso gerações
Hoje faço a festa na avenida
Ta-hí o Carnaval da minha vida!

Sou da lira
Daqui não saio, daqui ninguém me tira
Ei você aí!

Ô abre alas pra Tucuruvi

CARNAVAL 2015 SP - Sexta Feira Tom Maior 1h35


Adrenalina 

Letra de: André Ricardo, Biel, Carlos Dorea, Marquinhos, Douglas Chocolate, Xande Wenner, Rafa do Cavaco, Imperial, Tião, Lucas Donato, Gabriel Sorriso e Rafael Santos.

A SIRENE TOCOU UMA VOZ ECOOU
CANTA TOM MAIOR
A LÁGRIMA ESCORRE DE ALEGRIA
TRANSBORDA EMOÇÃO NA AVENIDA
OS OLHOS SE CRUZAM NO AR
NUM DOCE BAILAR… FAZ ARREPIAR
QUERO SIM, QUERO VOCÊ SEMPRE MAIS
NASCE UM GRANDE AMOR QUE NÃO TEM JEITO
NEM COM O TEMPO SE DESFAZ

DEU MEDO? ME ABRAÇA! MISTÉRIOS NO AR
O MAL SE REVELA PRA TE CONGELAR
O CLIMA É TENSO, A TODO MOMENTO
UM GRITO DE SUSTO SE FAZ ECOAR

VAI CORAÇÃO SEM LIMITES QUERO SUPERAR!!
VALE O RISCO, VALE O GRITO, EU APOSTO PRA GANHAR!!
É GOL!! O MUNDO APLAUDE MEU SHOW
E A FORÇA QUE INVADE LEVA O POVO SEMPRE A SONHAR
QUE A ILUSÃO NÃO ACABOU EM CINZAS
A FANTASIA TRAZ A LUZ DE UM NOVO DIA
MAIS UM DESFILE SE ENCERRA E A MAGIA
FAZ A COMUNIDADE ACREDITAR
VERMELHO, AMARELO, MINHA VIDA, MEU PAVILHÃO
GRAÇAS A DEUS O POVO GRITA: “É CAMPEÃO!”

CHAMA OUTRA NOTA 10 QUE EU VOU… ENLOUQUECER
DELIRAR, SACUDIR … DE PRAZER
EM TOM MAIOR A VITÓRIA ME ALUCINA
EXPLODIU ADRENALINA


Enredo:- Adrenalina
A sirene toca.
O portão se abre, o cavaco chora, a bateria pulsa, a batida acelera, o coração dispara, o corpo vibra, o suor escorre, a pressão vai a mil, a voz embarga, os braços levantam, a arquibancada explode, a emoção transborda, uma lágrima cai.
Um sorriso se abre. E a adrenalina sobe!
Os olhos se cruzam.
A pele arrepia, as mãos tremem, os lábios se tocam, o beijo transcende, as pernas bambeiam, o peito palpita, a alma suspira, o corpo quer mais…e mais… e mais…
Um grande amor nasce. E a adrenalina sobe!
A noite assombra.
O medo vagueia, o silêncio apavora, um uivo se ouve, a tensão aumenta, a escuridão sufoca, a morte espreita, o vulto se esconde, o mal se revela, o medo congela, a mente diz não, o instinto diz sim, os dentes rangem, o susto se faz, o grito ecoa…
O coração vai à boca. E a adrenalina sobe!
O limite desafia.
O incerto excita, a jogada é arriscada, a coragem supera, a torcida empurra, o GOL  vai sair, a aposta é alta, a estratégia é ousada, a veia salta, o motor ronca, a altura amedronta, um corpo se lança, o recorde cai, o atleta se consagra, o mundo aplaude.
Um herói se ergue. E a adrenalina sobe!
O desfile acaba.
O portão se fecha, a plateia celebra, a mente se acalma, as alas dispersam, os dias se passam, a comunidade sonha… a expectativa renasce, a tensão aumenta, o momento chega, os envelopes se abrem, o “dez” se anuncia, o povo delira, a ficha cai…
É CAMPEÃO!!!!
(E a adrenalina explode…)
Carnavalesco: Mauro Quintaes
Texto: Gustavo Melo


CARNAVAL 2015 SP - Sexta Feira Dragões da Real 2h45



ACREDITE SE PUDER

COMPOSITORES: GODOI, GALO, THIAGO SP, GORDINHO, CARLOS JR., LAGRILINHA, SIDNEY CALÓ, EDSON LIZ E TIGRÃO
INTÉRPRETE: DANIEL COLLETE

CHEGOU DRAGÕES PRA TE CONQUISTAR
HOJE A PASSARELA VAI INCENDIAR
ORGULHO DO POVO, É MAIS QUE PAIXÃO
O SONHO DE GRITAR É CAMPEÃO

PARA ACREDITAR NÃO É PRECISO VER
SONHANDO TAMBÉM PUDE APRENDER
CRUZOU O CÉU UM SÁBIO DRAGÃO...
COM ELE VOEI NA DIREÇÃO

DO TEMPLO DA SABEDORIA
UM LIVRO RELUZIU
E UM MUNDO NOVO SE ABRIU
EU QUERO TUDO QUE EU POSSO IMAGINAR
NUMA FLORESTA,  O SEU ENCANTO
NÃO PUDE ACREDITAR

VEM MERGULHAR NA EMOÇÃO
DA MINHA ESSÊNCIA ANCESTRAL
GUARDADA NO CORAÇÃO
PRESENTE EM MEU IDEAL
NO FUTURO SE TORNA REAL

QUEM SOU EU PRA DIZER
O QUE O AMANHÃ VAI TRAZER?
ESCREVENDO O MEU DESTINO
CONSTRUINDO A MINHA HISTÓRIA
VOU CRESCER E SONHAR
“VOAR, VOAR, VOAR...E SUPERAR”
ESTÁ DENTRO DE CADA UM
O PODER DE TRANSFORMAR
E VENHA O QUE VIER...
ACREDITE SE PUDER!


ENREDO: ACREDITE SE PUDER

INTRODUÇÃO:
Não é verdade, não pode ser...
Será mesmo um dragão surgindo das nuvens? Não posso crer...
Aproxima-se rápido e paira sobre o chão.
Será sonho? Se for é sonho bom.
O sábio olhar da criatura instigava o coração.
Não sou de acreditar facilmente, mas estava ali um legítimo GUARDIÃO.
Com sua altivez, bradou tentando me convencer.
Venha comigo, e sua forma de acreditar mudará você vai ver.
Ele me alçou em suas costas e eu mantinha-me sem crer
Mas tudo foi se transformando ao adentrarmos no salão
Era tudo tão enorme e eu nada mais que um pequeno ser.
Agora sim você crerá meu jovem, sibilou o GRANDE DRAGÃO!
A magia deste livro lhe ensinará a acreditar,
Portanto abra bem os olhos e prepare o coração!
Pois saiba, que quem escreve constrói castelos e fortalezas, e quem leem pode habitar todos esses infinitos lugares!

CAPITULO 1 - O FANTÁSTICO SABER (SANTUÁRIO DO SABER)|

O jovem Tomé, desconfiado com sempre, não conseguia acreditar, que lugar magico era esse, a qual o dragão o tinha levado. Porém uma coisa não tinha como negar, se estava vendo tinha como crer.
Era um santuário do saber, com muitos livros, uma infinidade deles, um templo de conhecimento, sobre fatos ancestrais. Sua magnífica beleza o deixava perplexo, com certeza a biblioteca mais bela que já existiu!
Dúvidas atravessavam sem parar a mente do jovem. Corredores se cruzavam, sem uma lógica aparente. Sobre um livro destacado dos demais, um brasão, uma joia formidável, a imagem de uma fera incomparável.
_"Eu só sei que isso é verdade, pois eu estava lá para ver, e sequer senti maldade ou temor, quando ouvi: venha cá."_
_“O sábio olhar do dragão, com o saber de muitas vidas, conquistou meu coração, que batia acelerado.”_
_“Ao chegar mais perto sobre a mesa vi, o grande livro mágico estava lá aberto, o livro Acredite se Puder!"_

CAPÍTULO 2 - O FANTÁSTICO IMAGINÁRIO (MUNDO IMAGINÁRIO)

Como se fosse um carinho, uma leve brisa cortou o ar, um breve afago. E numa arvore, ao mirar um ninho, vislumbrou a primavera.
Sentiu a floresta majestosa tremer, viva de fato, em movimentos irreais. Viu o sol aparecer, despertando os animais.
Nunca vira tal grandeza, tudo de maneira tão sutil. Uma surpreendente natureza, um cenário admirável.
Enquanto se seguiam as estações, criaturas diferentes bailavam entre as árvores de forma solene e alegre. Tomé olhava vidrado, a vida pulsando ao seu redor. Enquanto era guiado de perto pelo virtuoso dragão.
_"Minha incredulidade me obriga a duvidar." _
_"Um garoto, um jovem ainda, deveria confiar."_
_"Mas senhor, não posso. Não apenas com uma visita, entregar minha razão pra uma história meio lida."_
_"Trabalhoso é, decerto, fazer um descrente crer. Mas sou um dragão esperto e a história te fará ver."_

CAPITULO 3 - A FANTÁSTICA HUMANIDADE (CONHECIMENTO ANCESTRAL)

Enquanto Tomé espera, o dragão se apruma, prepara-se para um mergulho, e então cortando o véu do espaço o conduz para ver culturas descomunais.
Deixa-o viver e viajar, entre sonhos e ideais.
Deixa-o ver as proezas, e enfrentar os desafios. Para que tenha a clareza daquilo que já existiu.
Sobrevoavam atentos, diferentes continentes. Conectados pelo corpo e pela mente, um só ser.
Enlaçados, não só com o guerreiro mais irado, ou com o povo mais indomável, mas também com o mais informado e o mais amável.
_“Tento dar-te claridade, para ver o que há aqui”. Civilizações que deixaram sua marca._
_“Conhecer essas culturas através dos séculos criou um duvida em mim, como será a vida daqui a alguns séculos e que ensinamentos iremos deixar”._

CAPÍTULO 4 - O FANTÁSTICO FUTURO (ERA VIRTUAL)

Ao pequeno rapaz o dragão faz um pedido, feche agora os olhos e solte a imaginação, me apresente como você acredita que o futuro será.
E, Tomé ainda sem crer, julgava isso incerto. Mas viu vida aparecer, criando ideias reais. No início com estranheza, ele quase desistiu. Mas logo, com firmeza, concentrou-se e insistiu.
Pensou em como seriam as coisas daqui pra frente. E como tudo funcionaria, seria excelente.
O dragão, admirado, achou o garoto Tomé louvável. Com o trabalho acabado, viu que ele era viável.
"O que fez é uma cidade?"
"Ela não esta boa... Está?"
"Não possuis vaidade, isto é algo a se notar!"
“Conhecer este dragão, me fez refletir como viver a vida. Ela não deve ser julgada mais sim vivida”.

"Eu posso não estar certo, a vida vai nos dizer. O destino esta aberto, pronto a ser escrito"

Tia Ciata - "A Mãe do Samba"

"TIA CIATA", MÃE DO SAMBA...

" O samba é o mais belo documento da vida e da alma do povo brasileiro". (Rosane Volpatto-extraído do Texto SAMBA, SABOR DO BRASIL) Um grande abraço ao nosso patrono PAULINHO DA VIOLA. (Veja mais na página História do Samba)
-------x-------

Pelo Fim da Ordem dos Músicos do Brasil !

Abaixo-Assinado Eletrônico pelo direito ao livre exercício da profissão de músico:

Participe você também, leia matérias neste blog.

Para assinar eletrônicamente:

http://www.carlosgiannazi.com.br/fale_conosco/abaixo-assinado-omb.htm

Paulinho da Viola- Entrevistado pelo programa Memória do Rádio

PAULINHO DA VIOLA - O Nosso Patrono

O Verso "Quando penso no futuro não esqueço meu passado" é creditado por Paulinho da Viola, em "Meu tempo é hoje", como sintese de sua obra, de sua vida. Recolhido de sua "Dança da Solidão"(72). (Pedro Alexandre Sanches - Folh aOn Line - 11/04/2003)

"Eu não costumo brigar com o tempo" afirma Paulinho da Viola (em 09/12/2004 - Folha On line)

"A música de Paulinho da Viola representa um universo particular dentro da cultura brasileira. Experimentá-la é reconhecer que a identidade cultural brasileira não é única, há sempre algo mais." (extraído do site de Paulinho da Viola)

A Obra de Paulinho da Viola já foi tema de livros, trabalhos acadêmicos, gravações e documentário. Em fase de finalizações, se encontra um Documentário realizado pela VideoFilmes com direção de Isabel Jaguaribe e roteiro de Zuenir Ventura. (Confira mais na página - PAULINHO DA VIOLA - Vídeos e muito mais)

-------x-------

AGENDA CULTURAL DA PERIFERIA

A Ação Educativa é uma organização não governamental sem fins lucrativos que desenvolve a apóia projetos voltados para a educação e juventude, por meio de pesquisas, formação, assessoria e produção de informações. Mantém em sua sede o espaço de Cultura e Mobilização Social, aberto ao público, que promove regularmente atividades de formação, intercâmbio e difusão cultural. Vale a pena acessar : http://www.acaoeducativa.org.br/

Confira As Comunidades de SAMBA divulgadas.
-------x-------

Samba do Sino comemora primeiro ano na noite de 15/12/2009 com história do samba

O Movimento Cultural Samba do Sino comemerou 01 ano de vida no último dia 15/12/2009, e presenteia os moradores da cidade com histórias que contam a evolução do samba no Brasil. A proposta nasceu com a idéia de resgatar esse pedaço da cultura popular. (Vanessa Coelho - Guarulhos Web 15/12/2009)